ADICIONE O BLOG SMM AOS FAVORITOS! OBRIGADO PELA SUA VISITA E LEITURA!

DESDE 2010. ANO VI. MAIS DE 2.000 POSTS.

GUEST POST NO ESCREVA LOLA ESCREVA

CURTA NO FACEBOOK


E-MAIL
sindromemm@gmail.com

13 janeiro 2017

Vai criar um filho e o marido? Que lindo, são gêmeos!


Tenho uma amiga que está chegando aos oito meses de gravidez.

Sua vida já corrida deu uma piorada nos últimos meses porque o marido começou a sofrer de síndrome do pânico.

Por ter sofrido dessa doença durante vinte anos sei bem como é, sei que aparece do nada, sem explicação. Mas minha amiga foi rápida e levou o marido a uma psicóloga, o diagnóstico foi que o rapaz não sofria de síndrome do pânico, mas de ataques de pânico devido a pressão que está sentindo porque vai ser pai.

O rapaz foi honesto, disse que é trabalhador autônomo e está apavorado diante da responsabilidade de criar um filho. Procuraram um psiquiatra que receitou calmantes ao rapaz, também indicaram uns exercícios e para não alterar sua pressão, minha amiga evita falar sobre o bebê e o futuro, porque pode afetar a ansiedade do marido.

Fui a casa dela e fiquei escutando sobre os riscos dos ataques de pânico virarem uma síndrome, pouca gente sabe, mas a diferença entre eles é que o ataque acontece em uma situação de nervoso, comum, como um casamento, a formatura, a primeira vez que dirige, que viaja, que tenta um novo esporte, vai a um médico que não conhece, enfim, em horas de tensão pode acontecer um ataque de pânico, mas a síndrome são ataques de pânico constantemente sem motivos, a pessoa pode estar em casa, tranquila e de repente do nada, vem um ataque de pânico.

A conversa só girava ao redor do marido, da sua ansiedade com a paternidade, o cansaço das horas extras para juntar dinheiro. Mas minha amiga se levantou duas vezes do sofá e vi todo aquele esforço de mulher grávida, assim que esperei ele ir ver o futebol e fui perguntando o que era tudo aquilo, é mesmo sobre o pânico dele em ser pai?
É.

A sogra chegou, entrou na conversa, eu deixei claro que já todos sabíamos da situação do pai, mas eu não sabia nada da situação da minha amiga e a sogra foi falando:

-Você não tem ideia do que é ser pai neste mundo! Fulano é um homem responsável e amoroso, está preocupado.

E fulana? O que ela sente não vale nada?

-Mulheres nascem para serem mães, para os homens é opcional serem pais, meu filho está apavorado e reagindo desse modo, mas não deveria ser objeto de críticas suas.

E por que eu não posso criticar? Eu acho estranho essa história de não poder falar do bebê e ter que ignorar que fulana está com uma barriga gigante de oito meses e todo mundo finge que não vê pra não estressar o marido. Não tem coisa pior no mundo do que homem fraco!

-Chocada com sua  falta de empatia! E olha que me disseram que você teve síndrome do pânico e depois de curar ficou assim? Insensível?

Não tenho dó de homem. Não entendo porque fica todo mundo em cima dele, mimando, colocando algodão, e não falam dela. Por acaso ela também não está apavorada em ser mãe? É o primeiro filho dela. Escuto que falam dos ataques de pânico dele e não mencionam nada dela, e se ela estiver com ataques de pânico, pensando no parto, na amamentação? Não vale nada?

Minha amiga entrou na conversa e disse:

-Tudo bem Iara, tem gente mais fraca, acontece, ele é mais sensível do que eu, ficou com pânico e tal, eu me seguro.

Por que a gente sempre tem que segurar? E na hora de fingir que são os fortes, eles nos atropelam! Somos nós que temos que esconder como são fracos e sair dizendo que eles nos dão todo o apoio! É mentira! Teu marido vomita de nervoso cada vez que falam do bebê, isso é comportamento de adulto?

-É que ele tem medo de não dar conta das despesas!

Que despesas? Que medo? Desde quando o homem se compromete com alguma coisa? Pode ir embora se quiser, ninguém fala nada, não está obrigado a parir!

Jesus me acode! Minha amiga saiu dirigindo as duas da manhã, com uma barriga de oito meses, pra levar o marido ao pronto socorro, por um ataque de pânico. Teve que escutar de um residente em medicina que hospital não é lugar para mulher grávida, é bom evitar. E por que não chamou um táxi? Porque ele estava aos prantos!

Já tive os piores ataques de pânico do mundo, não consigo nem descrever, mas a gente  não perde a consciência e não precisa arrastar uma grávida ao hospital. 

Minha amiga insistiu:

-A gente não pode pedir as pessoas que se comportem todas da mesma maneira, tem gente que sofre mais, sofre menos, enfim.....


Não, não é assim, neste caso é hora de dizer ao marido ''não é mais sobre você, agora vai ter outro ser nesta casa e nada mais gira ao teu redor''.

Não entendo porque as mulheres continuam cobrindo esses homens, a vida não é assim, o mundo não nos cobre, então por que dar cobertura a eles? E ainda por cima sem garantia de que um dia vão nos cobrir?

Já disse a minha amiga que pense em se mudar a casa da mãe, ou vai querer criar gêmeos? Dá pra lidar com um bebê recém nascido e um homem com pânico ao mesmo tempo? O marido só de escutar sobre o bebê vomita de nervoso, vai aguentar o tranco que vem? E minha amiga? Vai continuar escondendo seus sentimentos? Ou será que a gravidez é um estado de pureza tão alto que anula os medos da mulher?

Não teve jeito, minha amiga é um doce, insiste que o marido é boa pessoa, nobre de sentimentos, está apenas preocupado com o futuro do bebê, não é uma luta por protagonismo.

Concordo com isso, não é o momento de lutar por protagonismo, mas por que só os sentimentos do homem importam? Muita gente diz que as grávidas recebem muita atenção, mas não sabem que é atenção negativa, com todo mundo chegando perto e dizendo o que comer, fazer e comprar, ninguém se aproxima para conversar sobre os sentimentos e medos delas.

Eu continuo batendo na mesma tecla, o importante é minha amiga e o seu bebê, é ela que está aguentando o desgaste físico da gravidez, é ela que vai encarar o parto, a amamentação, a apertada licença maternidade, a pressão do trabalho, enfim, quem deveria estar tendo ataques de pânico é ela, não ele.

Não tolero nenhuma situação que exalte o homem e anule a mulher, dizem que ele é um herói porque está sendo honesto em relação aos seus medos, mas ela é uma mulher comum, e não tem medos, porque todas as mulheres nasceram para parir e não tem medo disso, não precisam de ajuda, os que tem que ser amparados são os homens! Sei.

No fim disse a minha amiga o que realmente penso da situação, ela já passou por outros amores, já sonhou, já acreditou, no momento o importante é ter um bebê saudável e que se dane o resto, ela tem seu emprego, seu bebê, sua família e pronto, não precisa de homem, não precisa carregar encosto, não precisa criar filho de bigode. Já deu com essa fantasia de mamãe e papai, pois é, se papai não aguenta o tranco, que saia da foto.

Ai, meu Deus, mas ele está com ataques de pânico, não podemos ser tão duros com ele!

É fato, é uma doença estressante, mas pra mim ele está usando isso para se manter no foco, no protagonismo, eu entendo um ataque de pânico, mas nunca vi um homem vomitar cada vez que falam que vai ser pai.

Eu sou dura com os homens, mas posso garantir que eles são piores com as mulheres, no fim só devolvo a gentileza. E não minto para as minhas amigas, não cubro comportamento de marmanjo, o que interessa é a vida delas, não o encosto que carregam e a vida é simples, se a pessoa não te dá apoio ou justo no momento que você precisa, ela falha, bom, corte a corda, tchau e benção, vida que segue.

No caso da minha amiga já avisei, o filho vai ser criado e vai ir para o mundo, mas o marido-neném vai ficar pra encher o saco dela e atrasar sua vida.

Não temos mais tempo para perder em relacionamentos assim, precisamos estar com pessoas tão corajosas como nós, se uma mulher pode encarar a gravidez, um homem pode segurar seu pânico, no fim é o mesmo sufoco.

E se a mulher quiser ter gêmeos eu recomendo aqueles tratamentos de fertilização, mas pegar gêmeos assim, um bebê e um marmanjo, não dá certo, bebês crescem e aprendem, marmanjos ficam e afundam quem os apoiou.


Iara De Dupont

Nenhum comentário:

Leia outros posts....

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...