ADICIONE O BLOG SMM AOS FAVORITOS! OBRIGADO PELA SUA VISITA E LEITURA!

NOVIDADE!

NOVIDADE!

Nota:O formato PDF dos livros acima pode ser acessado em qualquer plataforma, inclusive Windows, Mac OS e plataformas móveis como Android e iOS para iPhone e iPad.

Os posts mais lidos viraram livros e não estão mais disponíveis no blog.

DESDE 2010. ANO VI. MAIS DE 2.000 POSTS.

GUEST POST NO ESCREVA LOLA ESCREVA

CURTA NO FACEBOOK


E-MAIL
sindromemm@gmail.com

14 junho 2016

A tampa gelada do sarcófago


Desde pequena escuto que a ignorância é uma bênção. 
Sempre pensei que era um erro pensar assim, conhecimento liberta e nos tira da rota da escravidão, em qualquer aspecto.

Talvez a frase não esteja correta, ignorância não é uma bênção, mas talvez seja uma bênção ser ignorante em um mundo onde prevalece a ignorância.

Todos somos obrigados a escutar opiniões alheias, querendo ou não e quando elas vem carregadas de pontos de vista ignorantes chega a doer.

Já passei da fase de argumentar, hoje só me afasto, mas de vez em quando a pessoa me pega em um dia ruim e eu acabo falando o que penso.

Um rapaz me disse:

-Minha irmã tem depressão.

Antes que eu pudesse dizer alguma coisa ele emendou:

-Coisa boa! Sabe o que é depressão?

Me diz você o que é.

-É acordar de manhã, no frio, e pensar ''ai, que se foda o mundo, hoje não levanto''.

Bom, se é apenas isso tua irmã deveria se mudar para Cuiabá, um lugar onde as seis da manhã o termômetro já marca 40 graus na sombra.

-Ia ser a mesma merda, ela ligaria o ar condicionado e falaria a mesma frase, essa que manipula minha mãe e toda a família.

Não sei o que tua irmã tem, mas te garanto que acordar com depressão não te dá essa oportunidade de puxar os cobertores e dizer ''ai que se foda o mundo''.

-E como seria acordar com depressão?

Acordar com depressão é como acordar em um sarcófago egípcio, você sente o gelo da tumba, a pedra e tenta se mexer, mas diante de você tem a tampa, talvez de 400 quilos e você tem que tentar tirar ela dali para sair. De vez em quando parece uma tampa normal, com muito esforço você consegue mexer ela, mas nem sempre é assim, na maioria das vezes ela pesa 400 quilos, é um bloco de pedra, você pode sentir o frio dela encostando no teu rosto.

-Ah, sim, então você conclui que não consegue e volta para dormir!

Não, não existe o sono dos inocentes para quem tem depressão, você puxa o cobertor de novo e entra em um inferno, aquela passagem das almas, começam as crises de angústia, de impotência, enfim, não tem paz ali.

-Você deve ter coração de mãe, porque teu grau de tolerância com esse tipo de assunto é inacreditável.

Não sei se tenho coração de mãe, mas no caso da depressão são anos convivendo com isso, aprendi muitas coisas, a principal delas é: não esperar empatia de ninguém.
Já passei por situações que me fizeram ver que apesar da depressão ser reconhecida como uma epidemia mundial, todo mundo nega e detona quem diz ter, então já não falo nada, fico na minha.

-Eu não acredito em depressão, pelo menos não no caso da minha irmã, fosse outra pessoa, mas ela tem tudo, não sei porque continua dizendo que se ''sente péssima por dentro o tempo inteiro''.

Eu tenho pena de tua irmã, tenho pena de todo mundo que tem depressão e convive com pessoas que não acreditam na doença.
Uma vez convidei uma amiga para jantar na minha casa, era uma pessoa muito próxima, mas ela é diabética e me dei o trabalho de pegar uma receita de sobremesa sem açúcar, liguei para uma amiga que é nutricionista, bom, a receita ficou maravilhosa e ela adorou.
Duas semanas depois me ligou convidando para ir a uma reunião de uma amigas, mas eu estava péssima, muito deprimida e não quis ir. Ela tentou me puxar, mas acabou desistindo, depois me ligou e disse horrores, falou que eu precisava encontrar uma desculpa melhor, que essa já era batida, enfim, a amizade acabou ali.

Ótima lição, aprendi muito. Ela era diabética e eu respeitei isso, nunca falei nada, jamais cheguei perto e disse ''olha, você sabe que na medicina espiritual diabetes representa uma grande tristeza, uma enorme perda, em geral as pessoas ficam diabéticas depois de um choque emocional''.
Falei isso? Não. E não falei porque sei como ela pensa e respeito suas crenças, eu sou daquelas que acredito que todas as doenças são um grito da alma, não falei nada, mas escutei que eu era uma mentirosa, manipuladora e preguiçosa, que não quis sair de casa em um domingo de sol.

Ainda tive que levar uns tapas na cara para entender que não existe empatia e as pessoas acham que sou preguiçosa quando digo que não quero sair, mas nem todos os dias quero ver gente.

-Mas você sai da cama e continua levando a vida, minha irmã nem tenta isso!

Pois é! Sair da cama faz parte da beleza do treinamento militar. São anos treinando, aprendendo a driblar e ir entendendo meu processo. Mas até chegar a essa perfeição de comportamento ralei muito, uma época fiquei trancada no meu quarto um ano direto, não fui nem na cozinha e há uns anos fiquei quatro meses, larguei tudo, mas tive que aprender a lutar como bicho, até o fim, porque se eu me largo na depressão acabo descendo mais e mais e não consigo mais subir de volta, pra mim é um caminho perigoso, só eu sei as besteiras que sou capaz de fazer para me livrar da dor, por isso me parece melhor agora lutar, mesmo sem fôlego do que me largar.

-E quem te ensinou isso?

Outro ponto interessante, você aprende sozinha. Eu cresci cercadas de pessoas que diziam ''para com isso, Iara'', ''coisa de caçula mimada'', ''o que você quer dessa vez?''.
Minha mãe fez de tudo, me arrastou a médicos, me puxou pelo cabelo, gritou, ameaçou, mas acabou largando mão, porque viu que as coisas não se resolveriam assim. 
O que você faz com tua irmã é a pior coisa que pode ser feita com um ser humano, dizer que sua dor não existe porque não é um osso quebrado, é uma alma rasgada, e como você não pode ver a alma dela, então conclui que não tem nada ali.

-Você fala em alma e o médico fala em desequilíbrio químico, fica complicado assim.

Hoje acredito que é uma mistura de tudo, mas a alma sempre prevalece sobre o corpo, e também vejo o peso da sociedade, por mais equilibrado que você seja, circular em uma humanidade doente te tira do eixo, te causa tristeza.

-A melhor coisa é ser alienado né?

Sempre vai ser, pelo menos se for opcional, de resto não serve se envolver em tudo nem ficar exposto, esse foi um ponto que me trouxe de volta e sempre traz, eu evito me expor em situações que sei que vou sofrer, ambientes que vão me causar dor, enfim, você aprende a se afastar de algumas coisas para sobreviver, caso contrário cai.

-Mas eu  não posso fazer nada pela minha irmã, mesmo que eu quisesse, pessoas como ela não deixam ninguém chegar perto.

É, a gente aprende a não deixar, até hoje a maior reclamação da minha mãe é essa, que eu não me abro para um diálogo, mas aprendi com o tempo a me fechar, justo porque me cansava escutar sempre a mesma coisa ''para com isso, levanta da cama, toma uma banho e faça sua vida''.
A única coisa que você pode fazer pela tua irmã é demonstrar um pouco de empatia, tentar conversar com ela, entender seu lado e aceitar que é uma doença, ninguém escolhe se sentir deprimido e talvez o mundo não saiba, mas a sensação de estar deprimido é péssima, é como estar vazio, mas ao mesmo tempo cheio de dor. É uma das piores sensações do mundo.

Sempre lembro de um amigo que lutou ferozmente com um problema no pâncreas,  fez transplante, uma vida de dor físico.
Um tempo depois do transplante ele entrou em depressão e me disse:

-Não estou conseguindo lidar com isso, aguento todo o tipo de dor física, mas acordar de manhã e não conseguir sair da cama, me sentir desmotivado o tempo inteiro está me consumindo por dentro

Joguei nele a mesma conversa que todos jogavam, até o psiquiatra, de que depois de tantos anos de espera pelo transplante, tanta dor, não ia ser uma depressão que o derrubaria, ele era forte. E sabe o que aconteceu depois? Três meses depois ele morreu, o coração parou!

Meu Deus, estamos falando de um homem que fez um transplante, o organismo rejeitou, entrou em coma, teve que fazer outro depois, passou anos em hospitais, com dores, medicamentos e resistiu! Mas na hora que a alma foi apertada, sei lá os motivos, ele morreu.
Nem os médicos acreditaram, ele tinha tido infecção hospitalar, aguentou tudo, lembro do médico dele chorando no velório e dizendo ''mas como o coração parou do nada?''.
É, o coração para do nada. E ainda tem gente que diz que a depressão é invisível.

-E eu falo o que para minha irmã?

Vai com ela e diga ''olha, minha Rainha Egípcia, sei que todos os dias você está empurrando a tampa da urna para tentar sair linda e divando, mas está com dificuldades, me diz, como eu posso te ajudar a empurrar essa tampa e fazer tua vida mais fácil?

É só isso que a gente precisa, alguém que se ofereça para ajudar a empurrar a tampa e sair, não precisamos de ninguém dizendo que essa tampa gelada não existe, porque está ai, ela existe sim, todo mundo que se levanta com depressão sente o frio da tampa no rosto. Quem está na urna só quer se levantar e sair, voltar para seu reino, o reino dos vivos.


Iara De Dupont

4 comentários:

Anônimo disse...

Obrigada!
Obrigada por isso!
Depressão é isso mesmo, é dormir falando que no outro dia vai se levantar e não conseguir
É do nada ter crises de choro, é procurar motivos para resistir a pensamentos suicidas, enquanto todo mundo de fora grita: fraca.

Cátia Cavalcante disse...

Melhor definição até hoje de depressão que já li. Muitas vezes eu me sentia tão envergonhada ... tenho uma amiga que enfrenta um câncer de mama sempre com um sorriso no rosto, enfrenta tudo com uma leveza linda de se ver, outra com esclerose múltipla, limitada para fazer várias coisas. E eu nas minhas orações chorando e pedindo a dor que cure essa dor que sinto na alma. Eu procuro ajuda. Procuro sim... mas esses comentários de ignorantes ... " isso é falta de Deus" "isso é pq não teve filho, se tivesse filho não teria tempo pra ter depressão" juro que já ouvi isso algumas vezes e de pessoas diferentes.. enfim.. um dia de cada vez. Tô arrastando minha tampa agora pra enfrentar mais um dia. Beijos Iara. Estava sentindo falta das suas publicações no Facebook.

Anônimo disse...

Cátia mães tem depressão tbm. A minha ficava uma semana sem abrir a boca quando eu era pequena,eu me lembro de comer biscoitos no café, almoço e janta, me criou só, sofreu abandono, todos tem depressão, hoje eu sei o que é essa sensação de impotência, de não querer sair de casa, falar, agir, de não conseguir.
Mas a ignorância é triste.

Patricia Gabriel disse...

simm!Depressão é bem isso mesmo,eu tenho,e sofro horrores,e ainda tenho de fazer terapia em grupo,e ter de ouvir,justamente quando gostaria de só falar e chorar,assim como todas!A nossa sociedade é ignorante,obscura e brutal com os deprimidos,ninguém quer sofrer a dor do outro,se doar...

Leia outros posts....

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...