ADICIONE O BLOG SMM AOS FAVORITOS! OBRIGADO PELA SUA VISITA E LEITURA!

DESDE 2010. ANO VI. MAIS DE 2.000 POSTS.

GUEST POST NO ESCREVA LOLA ESCREVA

CURTA NO FACEBOOK


E-MAIL
sindromemm@gmail.com

04 maio 2016

A solidão dentro da armadura


Há um bom tempo conheci um rapaz na faculdade e ficamos amigos. Acho que ele tinha namorada na época, mas eu sempre tive uma queda por ele e seu jeito doce e educado.

O ano passado o encontrei e conversamos um pouco, não lembro como saiu na conversa, mas ele disse que lia o blog de vez em quando e confessou:

-Ah, te acho bonita, mas ainda bem que não falei nada nos tempos de faculdade, imaginou?

Por quê?

-Porque namorar uma feminista é bem complicado, o homem tem que estar na mesma página, assim, eu apoio os direitos da mulher, mas não conheço sobre o assunto e no fim acho que rolaria muito desentendimento.

E aquilo quebrou meu coração.

E há pouco tempo em uma discussão com um ex-Romeu ele usou a palavra ''feminista'' várias vezes, chegou a dizer ''porque teu feminismo te impede de ver a realidade e blá, blá, blá.

E de novo quebraram meu coração.

Eu sou feminista, mas isso é um posicionamento político, não amoroso. É claro que os fios se enrolam, porque me relaciono com homens, então querendo ou não meu feminismo vai vir à tona, mas depende das atitudes deles, não de mim.

Tenho um amigo gay e nunca falei de feminismo com ele. Ou falo pouco, não tocamos no assunto, suas duas irmãs estão muito envolvidas na causa e ele sabe mais do que eu e não tem mais paciência para falar sobre isso.

Outro dia perguntei para ele, você sabe quem eu sou?
E ele respondeu:

-Minha amiga. 

É, é isso, eu sou tua amiga e que mais?

-Um doce de mulher.

E quebrou meu coração.

Tudo bem, é complicado falar sobre os gays, porque sinto que eles são homens evoluídos, com uma percepção maior das mulheres e da vida que muitos héteros, mas aquilo quebrou meu coração porque me fez perceber como os homens que eu gosto têm tido uma visão míope de quem eu sou.
Sou feminista sim, mas isso é parte de quem sou e não do que sinto.

Não tenho montado um ringue na minha cama, esperando por um homem para começar a luta. Não procuro duelos verbais, nem brigas por argumentos, deixo isso para o mundo lá fora.

Mas alguns Romeus têm atravessado meu caminho, conhecem as causas que acredito e de repente me encaixotam ali, pensando ''ela é feminista''. Não me veem como a amiga, nem a mulher que está apaixonada.

Preferiria aqueles tempos antigos onde eu levava um fora com aquelas desculpas baratas de ''não é você, sou eu'', ''não tem como dar certo'', ''gosto muito de você como amiga'', enfim, qualquer besteira, menos escutar ''você é feminista'', como se isso fosse um aviso de problemas e guerras em tribunais.

Me dizer ''você é feminista'' e logo sumir é a mesma coisa que dizer ''você gosta de animais'' e desaparecer. Não faz sentido na minha cabeça, apesar de ter consciência de que a palavra ''feminista'' tem sido espalhada pelo patriarcado como uma coisa ruim que indica mulheres fora de si, descontroladas, e ainda por cima perigosas.

E penso no meu amigo gay, eu saio com ele, como pizza, me divirto, sou feliz e a leitura que tem de mim não é ''ela é feminista'', ele sabe que sou ''Iara'' e meu nome guarda milhões de teorias, mas não sou todas elas, sou a soma delas.

E muita gente me diz que nem todos os homens se afastam de feministas, mas a verdade é que poucos se aproximam e muitos o fazem em clima de batalha, gostam de estar o tempo inteiro falando e discutindo, procuram uma ''briga pelo poder''.

Não me queixo de que os homens se afastem de mim porque sou feminista, não mudaria nada do que penso e sou, mas fico triste quando essa é a leitura de uma pessoa próxima a mim, que me conhece, que me conheceu há anos e sabe bem que existem mil lados meus, para que me julgue apenas por um e justo o meu lado político.

Poxa, se era para me detonar tivesse dito tantas coisas que sabia!  Meu feminismo é uma luta política para acabar com a violência contra as mulheres, não é minha maneira de amar alguém.

Não consigo pensar em me afastar de alguém porque a pessoa defende uma causa, principalmente se essa causa é por um planeta mais justo.

E reclamou do meu feminismo por quê? Acho que eu queria discutir sobre isso com você, que não tem a menor ideia do assunto?

Não queria. E não quero, pelo menos não com meus amores, meus Romeus, com eles quero distância desse tema.

E por que eu gostaria de falar com o homem que quero sobre feminismo? Pelo amor de Deus! É como explicar para uma criança sobre a maldade humana, não sei nem por onde começar.

Tudo para mim se divide em partes, pedaços e pouca lógica. Do mundo quero o que der, mas nem tudo ao mesmo tempo.

Tenho claro isso, do meu feminismo quero as respostas, a luta por justiça, a igualdade que tanto se procura, amenizar a dor que foi causada.

E dos meus amores, de você, eu só queria uma noite de lua, uma pizza e um pouco de risadas. Não queria conversar com você sobre feminismo, pelo contrário, queria mais é que teus beijos me fizessem esquecer os horrores que leio todos os dias. Que tua existência, mesmo breve em minha vida, me trouxesse um pouco de ar para acreditar em alguma coisa boa, que tua presença na minha vida me desse vontade de rir no meio da tarde.

Feminismo para mim é uma maneira de viver, mas não de amar. Eu não amo pela mente, nem pela justiça, amo porque apenas amo. 

Imagina se amanhã o feminismo desse certo e de repente o mundo fosse igual para todos, como seria minha vida se eu só pudesse amar com meu feminismo? 

Amor não é posicionamento político, nem a procura de um mundo melhor, amor é a certeza de que já existe esse mundo e estamos nele.

Eu te queria por perto, mas não para conversar sobre meus direitos nem as constantes agressões que as mulheres passam, eu queria apenas te contar qualquer coisa que te fizesse rir, só para que eu pudesse escutar tua risada.

Só queria pegar o pote de catchup na tua frente pra te escutar dizer:

-Você não vai ser maluca de jogar ketchup em uma pizza!

É, eu gosto de fazer essa maluquice, jogar ketchup na pizza, herança de uma visita na minha casa que me ensinou a fazer isso. 

Não queria a noite, essa que tenho nas minhas mãos, para discutir com você sobre como invadir a net com posts feministas. Não quero gastar a lua falando com você sobre leis que podem ser aprovadas.

Eu só queria você e a noite, no mesmo espaço, na mesma cama, sem teorias nem metodologias. 

E te dizer, pela milésima vez, que eu já escutei meu nome em centenas de bocas, mas quando sai da tua meu mundo paralisa, fico hipnotizada. 

E ainda lembro quando você me perguntou meu nome, eu disse ''Iara'' e você respondeu ''mas é tão curto'' e dali pra frente sempre dizia ''Iara, Iara, Iara''.
Quando eu quis saber porque você repetia tanto meu nome, você disse ''ah, eu achei ele curto e dei um jeito de fazer mais comprido''.

É, mas meus dias com você foram curtos. E não queria que você lembrasse de mim como ''feminista'', me parece pouco perto do que vivemos. Tanta coisa para me julgar, condenar e para quê usar uma faceta que você não conhece? Nunca fui uma ''feminista'' com você, sempre fui uma mulher que te amou e respeitou, não briguei por direitos porque sei o inútil que isso pode ser na vida pessoal.

E vejo tantas mulheres na mesma solidão que a minha, são feministas e os homens as definem assim, incapazes de ver que feminista são pessoas, são seres humanos, que também se apaixonam e nem sempre procuram um companheiro de guerra, às vezes, como é meu caso, só quero comer uma pizza e dar um pouco de risada.

E não nego que meu feminismo me obrigou a usar uma armadura, o que eu posso fazer se essas são as regras? Uso a armadura e ainda acho pouco, não me sinto tão blindada como deveria.

E você me viu nua e vem falar sobre minha armadura? Quando você me viu usando a armadura? Eu navegava na tua cama e nas minhas noites, nua. 

E nunca te falei sobre feminismo porque tua presença me nublava as ideias, me tirava do chão, era como estar em um lugar melhor, que me fazia esquecer tudo de ruim. E você não viu nada disso, ou finge não ter visto, agora para você eu sou uma ''feminista, e mulheres como você blá, blá, blá''.

Mulheres como eu o quê? Mulheres como eu que te amaram? É isso?
Não sei o que teus olhos guardaram de mim e talvez nunca vá saber.

E não entendo o sentido de algumas coisas. Que mulher, que feminista, quer amar um homem e se jogar na cama para discutir sobre a situação das mulheres no mundo?

E dizer ''teu feminismo me afastou de você''.

Como é possível dizer isso? Eu nunca me afastei de você, nem em pensamento, meu feminismo estava ocupado demais em situações reais para querer te misturar no meio de tudo.

Feminismo não afasta, esclarece. Mas para quê explicar? Não tenho mais o que dizer, nem como te convencer que nunca te amei, nunca te quis, para que você fosse um parceiro em uma luta tão intensa como o feminismo.

Eu só te quis porque te amei. Só queria esse sorriso nas paredes que me protegem dos dias frios, esses olhos na mesma estrada.

É fato que vesti a armadura, o mundo exigiu isso, a causa me pede. Mas você me conheceu antes de que as coisas chegassem a esse ponto, você sabe quem eu sou e quem fui com você.

E talvez não ficou claro, mas para mim nada mudou. Ainda sou capaz de sair às ruas pelo que acredito, ainda choro quando leio histórias de abusos, ainda carrego a fúria na alma que se precisa para lutar até o último segundo. É o que o mundo vai ter de mim, e em raros dias, talvez em um dia de sol, em uma praia, longe de todos, talvez, talvez, eu tire a armadura e a deixe de lado. Os tempos mudaram e não posso mais voltar atrás, daqui pra frente a armadura é minha linha com o mundo.

Mas não faça mais isso de dizer a uma pessoa que ''a Iara virou feminista e tudo deu nó''.

Você não conhece meu feminismo, não me conheceu feminista. Foi uma das poucas pessoas que me conheceu sem nenhuma defesa, nem argumento ou conhecimento do mundo.

Seja homem, apesar do machismo na frase, e diga quem eu fui em sua vida, e você sabe que não era ''essa feminista''. 

Meus ideais políticos nunca atravessaram teu caminho, talvez você não lembre, mas quando te conheci eu não comia carne e lutava pela libertação dos animais em laboratórios e fui com você na festa da tua tia, onde um carneiro tinha sido morto e cozinhado. Te disse alguma coisa? Não. 

Te disse alguma depois? Não. E não disse porque não precisava de palavras nem de frases, eu apenas estava apaixonada por você, não era o lugar nem a hora de discutir sobre como a vida no planeta poderia ser melhor se todos se respeitassem.

E a mesma coisa sobre o feminismo, para quê discutir isso com você, se já tinha colocado meu coração em tuas mãos? E por quê você teria alguma coisa a ver com minha mente e minhas ideias, se já tinha meu coração?

Feminismo é a luta pela igualdade, pelo reconhecimento dos direitos das mulheres. Mas você era meu amor, só isso, o amor que cobre tudo, que não explica, que não se define.

Feminismo é um posicionamento político, você era o meu bálsamo no meio do deserto amoroso.

Ah, mas você é homem, e sempre estou criticando os homens no meu ''feminismo''!

Ah, que visão estreita! Sempre critico as atitudes masculinas, mas nunca te vi como o homem dos meus sonhos, nem como minha visão romântica. Não nego que você seja um homem, é, mas nunca te vi assim, para mim você sempre foi uma ponte a outro mundo, que eu entrei guiada pelos teus olhos, um momento do tempo que não existiam coisas ruins.

E talvez eu fiz algo errado, devia ter deixado tua vida com alguma boa lembrança, não tenho problema em saber que você vai lembrar de mim como ''aquela feminista'', porque tenho orgulho do que o feminismo me tornou, se essa for tua última lembrança, tudo bem, eu aceito, mas no fundo da minha alma lamento, lamento demais.

Te amei tanto que dói saber que nada disso te importou, não ficou nem uma gota do mar que coloquei nas tuas mãos, não ficou nem uma imagem de todas as fotografias que fizemos em algum sonho, não ficou o som da minha voz, nem da minha risada, não te deixei nenhuma marca, nem ficam rastros das minhas pegadas na tua areia. E das noites que tivemos, parece que nenhuma te mexeu o suficiente para pensar em mim de outra maneira, não teve sol que te mostrasse meu coração, nem chuva que te refrescasse a memória.

Agora sou uma ''feminista'' para você, mas um dia e você deveria se lembrar, fui alguém que te amou, e não digo ''mulher'', para não cair no clichê do gênero, mas fui um ser humano que te amou sinceramente e ainda escorrega na lembrança e talvez até chore de vez em quando de saudades.

Eu não usava armadura quando te conheci, o máximo era uma coroa de flores, aquela que mostrava toda minha inocência diante do mundo de pedra que me esperava. E talvez você não tenha reparado, mas mesmo com o calendário voando, os dias deixando de existir e os anos se consumindo, mesmo assim nunca usei armadura com você, já não tenho a coroa de flores, mas a armadura nunca coloquei na tua frente. 

Que você lembre da minha armadura, quando conheceu meu coração, me quebra a alma. Que você lembre da armadura, quando me viu nua, me consome viva. 

E dizer ''feminista, feminista'' não me ofende, mas que pena que depois de ter tantos lados meus e meu amor, você fique apenas com minha ideologia e meu posicionamento político. Eu fui tantas ''Iaras'' com você e agora você só lembra de uma.

Mas tudo bem, a vida é assim. Se te perguntam por mim, você responde ''ela virou feminista'', mas quando me perguntarem por você vou dizer ''o último homem que me viu sem armadura''.

E aprenda, feminismo é feminismo, amor é amor. Pelo feminismo eu brigo, vou atrás, pelo teu amor eu só quis sentir e me afastar de tudo. 

O feminismo me tira da cama, me faz querer mudar as coisas, mas era você que mantinha meu sorriso no rosto o dia inteiro, me dava a sensação de que as coisas poderiam ser melhores. 

E você disse ''Iara, se tornar feminista te fez uma mulher fria''.

Pois é, mais uma vez, você errou. O feminismo me deu uma nova perspectiva de vida, me tirou do fundo do poço e me fez acreditar que algumas coisas têm conserto. Ora, perceba o mundo! O que é uma feminista, se não uma pessoa de coração aberto que acredita que pode mudar as coisas? Somos feministas porque amamos com mais intensidade e temos a certeza de que é possível viver em um mundo melhor. Existem umas gotas de idealismo, de querer ver todos bem, de acabar com tanta dor. E quem faz isso? Quem tem a alma aberta ao mundo, quem quer transformar, quem ama e ama muito. É preciso ter muito amor no coração para ser feminista, é preciso amar o ser humano ao ponto de achar que ele pode mudar.

O feminismo apenas congelou meus sentimentos ruins e esfriou os relacionamentos que não serviam mais, mas nunca te inclui nisso, até porque o gelo nunca circulou nem nas nossas bebidas.

Ainda dói quando penso que você só vai lembrar de mim como uma ''feminista'', sem pensar nos dias que atravessei meu orgulho para te procurar, pisei minhas promessas e tentei dar o melhor de mim. Eu só quis te amar, nada além disso, e só queria aquele momento em que te  tive, e não vou entrar naquele túnel e dizer ''você nunca mereceu meu amor'', porque sei do fundo da minha alma que isso não é verdade.

O máximo que posso dizer, hoje, afundada na minha dor, é que você nunca mereceu me ver sem armadura. Talvez se eu tivesse usado a dor não seria tão intensa.



Iara De Dupont

2 comentários:

Anônimo disse...

iara, não se entristeça vendo de fora, o teu "feminismo" foi só o modo de ele dizer que não tem coragem de estar com vc, covardia. Recentemente minha melhor amiga passou por isso, porém a desculpa era a religião dela, religião essa que ela nunca tocou no assunto com "romeu", alias romeu a conheceu antes da religião e ele era o único ser desse mundo que ela não tocava no assunto da sua nova religião. Enfim ele sempre a quis, durante 10 anos sempre tinha um mas... mas eu to namorando, mas eu quero pensar e agora é o mas é sua religião, volto a dizer religião essa que ela jamais imporia a ele ou sequer comentaria, enfim, a culpa não é da religião ( que vai amolar o romeu) ou do feminismo ( que também amola romeu) a culpa é da fraqueza e covardia desses romeus, basta apenas dizer: Gosto de você mas não o suficiente. Grande abraço e fique bem
A anonima que sempre te acompanha!

Patricia Gabriel disse...

como te entendo...!escreva,escreva sempre,vai por para fora esta angustia,e,um dia,ela terá lhe fortalecido,e você verá que terá superado tudo isso...

Leia outros posts....

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...