ADICIONE O BLOG SMM AOS FAVORITOS! OBRIGADO PELA SUA VISITA E LEITURA!

NOVIDADE!

NOVIDADE!

Nota:O formato PDF dos livros acima pode ser acessado em qualquer plataforma, inclusive Windows, Mac OS e plataformas móveis como Android e iOS para iPhone e iPad.

Os posts mais lidos viraram livros e não estão mais disponíveis no blog.

DESDE 2010. ANO VI. MAIS DE 2.000 POSTS.

GUEST POST NO ESCREVA LOLA ESCREVA

CURTA NO FACEBOOK


E-MAIL
sindromemm@gmail.com

12 maio 2016

No fim do dia......


Um amigo comentava sobre um post no perfil de outro amigo, quando de repente me disse:

-Você deve ter visto, ele postou ontem.


Não, eu não vi, faz tempo que desfiz a amizade.

-Por quê?

Ah, tempos modernos. Eu o adicionei, mas comecei a perceber que éramos muito diferentes, ele posta coisas que não gosto e quando eu postava coisas que ele não gostava ia lá e deixava comentários.

-E você não quer mais falar com ninguém que tenha uma opinião contrária?

Vamos ser sinceros? Meu tempo acabou em muitos aspectos, esse é um deles. Não tenho problemas com opiniões contrárias, mas ele é a favor de coisas que eu não aprovo e ele deve pensar o mesmo de mim, já acabou meu limite de tolerância e hipocrisia, pra quê manter alguém em uma rede social que não tem nada a ver com você?

-Isso me parece estranho.

É, eu sei, li sobre o assunto, estamos ''lisos'' e intolerantes, todos que não concordam são afastados e deletados de nossas redes, mas olha, eu já passei dessa fase. Foram mais de vinte anos no ativismo pelos animais, até que um dia acordei e percebi que algumas coisas não batiam. 
É fácil de entender, se a pessoa concorda com a morte e tortura de um animal, bom, aquilo está na sua alma e quem sou eu para mudar isso? Não adianta falar, explicar, o respeito pela vida é uma coisa que trazemos no coração, se a pessoa não tem, não  tem.

-Mas o que ele disse que te irritou tanto?

Foram várias coisas, mas eu abria meu Facebook, via alguma coisa dele e pensava ''nossa, que babaca'', até que um dia me perguntei porque o tinha na minha lista e resolvi tirar dali.

-E não era melhor conversar com ele?

Não! É isso que estou tentando dizer, os tempos mudaram, essa hipocrisia social se acabou, ninguém é obrigado a perder o tempo fingindo que tolera uma opinião que na verdade não te interessa, porque o ritmo da vida é esse, estamos todos tão envolvidos no nosso mundo que cada vez mais estamos nos lixando para a opinião dos outros.

-Eu não concordo, me parece que essa atitude fecha portas e cria uma tensão que afasta qualquer diálogo.

É bem por aí, chega de diálogo, as pessoas estão cansadas, lidando com suas vidas, ninguém quer saber o que o outro pensa.
Eu lembro de uma história que passei, parece boba, mas tem seus motivos. Eu fazia uma peça com oito atores, e um grupo entrava pelo lado direito do palco e o outro pelo lado esquerdo, foi assim a temporada inteira. Mas um pouco antes do final um grupo reclamou que tinha goteiras no seu lado e quando choviam eles corriam o risco de escorregar e o outro grupo reclamou que sempre tinha material da cenografia no chão e isso era perigoso.
Moral da história: eram oito pessoas, mas não estavam juntas no mesmo espaço físico, então cada grupo tinha sua visão e seus problemas.
É assim que me parece a vida, todos vivemos ligados a um núcleo pequeno, pelo menos os mais próximos e só eles sabem o que passamos, o resto não tem nem ideia, sendo assim não tem nada que opinar. Então por que eu me importaria com a opinião contrária de alguém no Facebook?
Me irrita essa hipocrisia, as pessoas dizem que são abertas ao diálogo e tal, como se realmente quisessem isso, pelo amor de Deus, o que todo mundo quer é a mesma coisa, resolver sua vida e o planeta que exploda.

-Você acha mesmo que as pessoas estão se lixando umas para as outras?

Não sei! Pode ser uma questão geográfica, mas pensa no contexto Brasil. Eu voltava para casa, quando percebi algumas ruas fechadas, por protestos políticos, dei voltas e voltas, cheguei em casa duas horas mais tarde do que o normal, cansada, irritada, de saco cheio, você acha que estou preocupada com alguma opinião no Facebook?
Já se acabaram esses tempos, estamos todos exaustos tentando sobreviver e levar a vida, não temos mais espaço mental para ficar conversando ou discutindo com pessoas de ideias diferentes, que se dane o que elas pensam!
Mas de repente na Suécia, onde as pessoas não conhecem a instabilidade política e econômica, elas gostem mais do diálogo, se abram mais para as discussões, mas no panorama latino tenho quase certeza que a maioria quer que o resto exploda.

-É bem aquela mentalidade de ''cada um que salve o seu''?

Tempos difíceis, queria ser mais fofa, mas não dá. E olha que eu ainda me coloco na categoria de pessoas que tem empatia pelo mundo e suas tragédias, não sou indiferente, mas sou levada a pensar em mim e no meu tempo e acabou essa fase de discutir com qualquer pessoa por qualquer assunto, seja na internet ou na vida real, acabou isso, quero mais é que se foda.
Os círculos se fecham cada vez mais, as mães estão preocupadas com seus filhos, os pais também e os núcleos reais são pequenos mesmo, cada vez é mais raro alguém dizer ''família'' e incluir primos, é quase natural dizer família e serem apenas as pessoas que convivem com nós todos os dias.

E o outro dia eu estava em um almoço e uma pessoa na mesa começou a falar horrores sobre o casamento gay, se fosse antes eu teria respondido a altura, teria chamado de preconceituosa e ignorante, mas peguei meu prato, me levantei e fui para o outro lado, já não discuto com esse tipo de gente. E você acha que eu poderia acrescentar algo dizendo a pessoa que estava errada? Não! Ignorância que nasce no coração não tem cura.

E cansei de tanta hipocrisia, as pessoas dizem que se importam, mas no fim do dia estamos todos nas mesmas, tentando salvar o nosso e das pessoas próximas.

Acho um porre aquelas pessoas que dizem ''eu não sou assim, eu me importo''. Fofa! Ótimo, continue se importando bastante, até que te drenem toda a energia e então vai se lembrar de mim, porque já passei por essa fase de me importar com tudo e sei como acaba essa pilha.

E não perco a consciência espiritual, faço minha parte e da melhor maneira possível, tenho claro a ideia de não magoar ninguém nem ferir, tentar o máximo que puder respeitar a natureza e seguir as leis de ouro, mas além disso não tenho mais energia para fazer mais nada nem me importar com mais ninguém. 

Me sinto como aquele astronauta que fica na lua, observando de longe o planeta. E no fim do dia me parece que é assim mesmo, cada um querendo salvar o seu e pensando ''foda-se'' o resto.

Já vivi de maneira mais plena, menos ordinária, e nem assim fui feliz. Me sinto mais livre assumindo que estou pouco me fodendo com o que muitas pessoas dizem, nem reparo nos seus posts contrários ao que penso, nem argumento, que se dane.

São os tempos que vivemos, conectados a tudo, desconectados de todos, cada vez mais distantes da essência humana e mais próximos de todo o egoísmo que existe no planeta.

Nunca achei mesmo que o ser humano valesse a pena ou fosse algo memorável, e essa onda de tecnologia só mostrou isso, usamos os aparelhos para ficar fechados em casa, longe de todos e de tudo, e brincamos com aplicativos, fingimos ser legais, fofos, espalhamos rosas no internet, mas por dentro estamos pensando ''foda-se'' o outro.




Iara De Dupont

Nenhum comentário:

Leia outros posts....

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...