ADICIONE O BLOG SMM AOS FAVORITOS! OBRIGADO PELA SUA VISITA E LEITURA!

DESDE 2010. ANO VI. MAIS DE 2.000 POSTS.

GUEST POST NO ESCREVA LOLA ESCREVA

CURTA NO FACEBOOK


E-MAIL
sindromemm@gmail.com

18 abril 2016

O garoto eu ainda amo, o homem eu desprezo


Há um bom tempo ingenuidade não fica bem em mim. Me disseram que depois dos trinta e cinco anos o batom vermelho também não ficaria bom, mas eu continuo usando, mas ser ingênua não tem mais espaço dentro do meu pequeno universo.

De tudo o que aconteceu, já passei a história mil vezes na minha mente. E não tenho desculpas, foi tanta a minha obsessão em catar os pedaços quebrados que acabei encontrando umas mensagens que trocamos o ano passado e elas eram bem claras.

A conversa era de como nos sentimos atraídos um pelo outro, sendo tão diferentes. Não falávamos nem o mesmo idioma, meu temperamento era explosivo e extrovertido, ao contrário do teu, gentil, mas fechado.
Eu estava acostumada a dizer o que pensava, queria as coisas na hora e não sabia ler as entrelinhas. Você observava e ia pelas beiradas. 
Uma vez a diretora da peça disse ''vocês funcionam bem no palco, porque onde você é barulho, ele é silêncio''.

Te lembrei dessa história, mas tuas memórias eram outras e você insistiu em dizer:

-A gente se deu bem desde o começo porque os dois éramos ingênuos, no meio de cobras, éramos abertos a todos e sempre dávamos as bem vindas as pessoas sorrindo. Estávamos cercados de filhos da puta, mas não percebíamos e continuávamos com o mesmo jeito, acessível a todos.

Te disse que de certa maneira eu ainda não tinha mudado, me fechei um pouco, mas não o suficiente, apesar das surras que levei da vida, e você me respondeu:

-Fica esperta então, depois não reclama das pessoas. Eu mudei, passei anos fora, saí do país, fui a outro onde não falava o idioma, tive que aprender a me defender. Hoje posso te garantir que sou um filho da puta.


É?

-É. O que havia de ''boa gente'' em mim filtrei, antes eu era legal com todo mundo, agora espero que sejam legais comigo, depois dou um pouco do que recebo, mas a maior parte do tempo sou um filho da puta, porque é assim que o mundo gira.

E eu perdi essas linhas, essa conversa no meio de tantas, de um celular que desapareceu, depois o tempo que passou e as outras conversas que subiram com essa.

Estava ali o teu aviso, a tua maneira clara de ser. E não me incomodei, nos conhecemos há tanto tempo que pensei que tua maneira de ser não me afetaria, seria como aquelas ondas do mar que não invadem minha praia.
Pensei isso porque sou assim, pensei que éramos iguais.
Eu não sou filha da puta, mas aprendi a ser, e mantenho uma certeza, não poderia ser filha da puta com pessoas próximas a mim, pessoas que amo ou um dia amei. Isso não me parece real, nem possível.

Desde o começo tive certeza que você me guardava em um pedaço do teu passado, aquele onde você não era um filho da puta, então não poderia ser comigo.
Confiei que onde eu estava na tua vida, no teu passado, tuas ondas não me atingiriam, e pensando bem, por quê você seria filho da puta comigo, se eu nunca fui com você?

Não deixei rastros de dor, nem feridas abertas. Não houve discussões, nem palavras que arrancam a pele. E o que aconteceu nem foi nossa culpa, a vida separa as pessoas, o vento às vezes faz barulho e não conseguimos pensar de maneira clara, escutamos conselhos errados, tomamos decisões estúpidas, mas nada é feito com dolo, para magoar quem tanto amamos.

Quando você me disse que tinha virado um filho da puta pensei que tinha razão, conheço as pedras do caminho, se não tiramos uma parte ruim para fora não conseguimos sobreviver.
Desde a última vez que nos vimos também não caminhei em estradas cheias de rosas, também me vi fazendo coisas que não deveria ter feito, nem dito. Tive que arrancar minha maldade na unha, fui obrigada a ser minha pior versão muitas vezes.

Mas não apodreci por dentro, consegui preservar a quem amo do meu veneno, do meu ódio fabricado. Ninguém que faça parte do meu universo, ninguém que se aproxime com amor, vai conhecer meu lado de laboratório, aquele que criei sinteticamente para me defender.

Sou pontual e espero receber, não sou filha da puta grátis, primeiro a pessoa tem que aprontar, então eu reajo, mas uso meu lado filho da puta como uso meu lado mais divertido, escolho a hora e as pessoas.

Acreditei que éramos iguais e tua filha da putagem nunca se aproximaria de mim.

Mas você avisou! 

Sim, me avisou. Mas me senti intocável na tua memória. Só conheci coisas boas tuas, não tenho lembranças de nada ruim. Confiei uma vez em você nada errado aconteceu.

E que tanto alguém pode mudar? É possível pegar um garoto com um bom coração e transformá-lo em um filho da puta, tão filho da puta que tenha orgulho de ser assim?

E durante esses meses não vi tua filha da putagem, não te escutei falar mal de ninguém, nem rir dos fracassos alheios. Para mim você parecia o mesmo, até a risada era igual, a mesma que escutei há anos.

E não sou ingênua, nem distraída, mas o caminho é longo e nem sempre piso nas pedras certas, de vez em quando escorrego e caio.

E nem sempre batom vermelho fica bem em mim, tem que ser com a maquiagem certa. E ingenuidade não é mais acessório na minha vida, nem tatuagem, mas às vezes eu confio nas pessoas, me recuso a pensar que poderiam ser filhas da puta comigo, especialmente pessoas que conheço há anos, como você.

Minha vizinha de cinco anos o outro dia estava chorando, queria um brinquedo e não tinha mais na loja. A encontrei dias depois e perguntei se tinha achado o brinquedo, me disse que não, depois suspirou e falou:

-Tia, a vida nem sempre é como queremos.

É, a vida nem sempre é como queremos. Eu queria o garoto que você foi um dia, não o homem que se tornou.

Eu queria me jogar no chão, bater na parede, subir uma montanha e perguntar ''por quê você foi filho da puta comigo?'', queria fazer isso vestida de ingenuidade e usando um pouco de batom vermelho, aquele que dizem que não fica mais bem na minha idade.

Queria tentar entender o que aconteceu, o que te levou a pegar o telefone e me ofender, me tirar dessa maneira covarde de tua vida, mas eu não posso fazer isso! Tenho uma mensagem bem clara no meu celular, está ali escrito ''eu sou um filho da puta''.

Só porque eu guardo quem amo em caixas de cristais não quer dizer que você faça o mesmo. 
E já conheci muita gente filha da puta, muita, mas tanta gente filha da puta, que aprendi a guardar quem era legal comigo em uma gaveta com mil chaves. Te guardei ali durante décadas, isolado de todos, para que ninguém contaminasse minhas memórias.

Adoraria chegar aqui e dizer que não te dei motivos para ser filho da puta comigo, mas onde está escrito que um filho da puta precisa de motivos para ser filho da puta? É isso que os filhos da puta fazem, eles aprontam com quem não é filho da puta com eles.

Odeio pensar que eu recebi teu aviso, odeio pensar que a frase continua no meu celular. 

No meu passado eu não toco, nem mudo, quem está ali, fica. Poucas vezes, ou talvez, nunca fiz isso antes, de tirar alguém da caixa de cristal e jogar no lixo. É a primeira vez que me vejo diante de uma situação assim, só porque pensei que éramos iguais e se você estava protegido no amor da minha memória, eu também estaria na tua.

Mas você foi filho da puta. E eu não quero ser filha da puta com você, mas se você eventualmente cruzar meu caminho, eu vou ter quer ser, a caixa de cristal já quebrou.

E você foi mais longe, foi filho da puta sem que eu tivesse feito nada para merecer esse teu comportamento.

Ah, mas eu fui avisada.

Pois é, para você ver, como eu ainda sou mais pura do que penso, mais transparente do que gostaria e mais correta do que deveria.

Uma vez em um centro espírita um senhor se levantou da mesa e se aproximou, eu estava ali com minha mãe e deveria ter uns quatro anos, o senhor colocou a mão na minha cabeça e disse a minha mãe ''é um espírito nobre sua filha''.

É, sou nobre. Tanto que te tratei com amor desde que você voltou, o mesmo amor que um dia te dei, no auge da minha ingenuidade. Preservei tudo que senti por você, não contaminei uma gota do que sentia por você. E mesmo assim você foi filho da puta.

Minha mãe é direta, diz que é teu problema ser assim, não meu. É você que perde uma amiga de jornada, foi você que cortou a corda que tanto nos uniu com amor. Foi você que apodreceu com os anos, enquanto eu consegui adubar minha terra com meu veneno.

E não vou mudar pelo o que aconteceu, vou continuar sendo exata, só vou ser filha da puta com quem for comigo antes, me recuso a apodrecer por dentro e odiar todos meus amores.

E a frase de ''te avisei'' não vai me perseguir muito tempo, sou daquelas que acredita que amor é para sempre, amor quando é bom não apodrece, segue a linha da vida, da eternidade.

O garoto que tanto amei permanece na minha memória, alma, coração e vida, não muda nada, ainda vou sorrir quando lembrar. O homem que você se tornou eu desprezo e lamento a existência.

E espero que você tenha tempo suficiente nesta vida para aprender uma grande lição, ser filho da puta é um ótimo mecanismo de ataque, mas nunca de defesa com as pessoas que nos amam e não nos fizeram nenhum mal.

Eu li bem claro quando você disse que tinha se tornado um filho da puta e você deve ter lido quando respondi que eu não. Sorte tua, vai sofrer menos do que eu, porque eu jamais te daria o soco que você me deu.

E se era para magoar eternamente, bom, não deu certo. O garoto fica aqui, o garoto que amei e amo, esse pode deixar que eu cuido, mas o adulto abominável que você se transformou pode levar embora.

E olha, nem é conselho ou aviso, é uma coisa que meu pai me disse um dia ''ser ótima pessoa não é um bom negócio, mas ser filho da puta também não é''.

Perdi muito sendo boa pessoa e generosa, mas talvez perdi menos do que se tivesse sido filha da puta. 
Olha tuas contas com calma, vê se está valendo a pena ser filho da puta.
Acho que não. Perder uma amiga como eu, alguém que sempre te amou e te protegeu na memória a vida inteira, é péssimo negócio. E perder por nada, sem motivos, me parece pior.

E de repente sou uma romântica incurável, uma otimista no fundo da alma, um doce perdido no espaço, não sei, mas sou daquelas que acredita que quando amamos alguém nosso amor protege essa pessoa, não importa onde estiver. Tenho certeza que meu amor te cuidou muitas noites, te ajudou muitos dias, esse mesmo amor que você fez questão de triturar na minha frente.

E não preciso escutar ''ele não te merece'', o adulto na minha frente não merece mesmo, mas o garoto que amei me mereceu e honrou isso o tempo que durou.

E não sou tão burra assim, o garoto que amei não era filho da puta, eu soube escolher, já o adulto que você virou não foi minha escolha.

Boa sorte aí com tua filha da putagem, espero que renda mais do que ser uma boa pessoa, porque para mim, sinceramente, parece que você perde mais do que ganha.  



Iara De Dupont


Nenhum comentário:

Leia outros posts....

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...