ADICIONE O BLOG SMM AOS FAVORITOS! OBRIGADO PELA SUA VISITA E LEITURA!

DESDE 2010. ANO VI. MAIS DE 2.000 POSTS.

GUEST POST NO ESCREVA LOLA ESCREVA

CURTA NO FACEBOOK


E-MAIL
sindromemm@gmail.com

11 fevereiro 2016

Quero um bebê com os olhos de Romeu! Surtei!


Visito muitos blogs, me apaixonei pela facilidade de ir de um à outro. Alguns tem uns textos lindos, bem escritos, otimistas e cheios de amor. Adoro esses blogs que conseguem falar sobre os relacionamentos de maneira tão esperançosa e bela.

Gostaria de ser assim e talvez se eu tivesse uma visão parecida a desses blogs poderia contar sobre Romeu e meu nome. Não sei o motivo, nunca entendi, mas aconteceu há anos e continua acontecendo, quando ele diz meu nome me sobe um frio pela espinha, sinto as borboletas no meu estômago. Já escutei meu nome de centenas de bocas, mas quando sai da boca dele meu mundo se congela. E isso acontece apenas com meu nome, quando ele usa apelidos ou faz gracinhas, meu planeta não se mexe, mas quando ele diz ''Iara'' , eu paraliso, fico congelada, como se fosse música dos anjos. É sincero isso, não sei porque é assim, mas acontece. Durante uma discussão ele disse ''Iara, Iara, Iara, e quantas vezes mais for preciso, Iara'', parei ali, hipnotizada com o som. É uma das coisas mais lindas que já vivi, escutar quando meu nome sai da boca dele. 

E minha história de amor chega até esse ponto, que é o meu, a maneira como vejo a situação, lá pra frente é o jeito que Romeu vê e é bem diferente do meu. 
Já falei milhões de vezes sobre o assunto, a maneira distinta como as pessoas olham para seus relacionamentos, neste caso entre um homem e uma mulher.

Quando nos apaixonamos não estamos sendo guiados apenas pelos sentimentos, mas por tudo o que nos rodeia, a cultura, o fator social, a maneira na qual nos ensinaram a viver. E não tem erro, ainda vivemos debaixo de um manto machista que ferve em cima das nossas cabeças, conheço poucas mulheres que consigam ver o amor sem se enrolar em pensamentos vagos e fantasiosos.

Faço isso quando estou apaixonada, mas aprendi a separar meus pensamentos. Me jogo na cama e sonho com milhões de coisas, mas ao levantar sei que é apenas uma fantasia e Romeu não pensa da mesma maneira. Não trabalho mais nas ideias que me deram sobre almas gêmeas e pessoas conectadas que conseguem se comunicar por telepatia.

Entendi que minhas fantasias são só minhas e minha maneira rosa de ver alguns momentos, é isso, minha maneira, não a do Romeu. Se estou muito inspirada perturbo um pouco minhas amigas e fico dizendo ''imagina isso, imagina aquilo''.

Mas nos últimos tempos graças a umas conversas com um ex-Romeu comecei a perceber como confundi muitas coisas na minha vida, não me sinto culpada porque fui educada para ser assim, a parte romântica e apaixonada da relação, apenas fiz o que me mandaram fazer.

E venho percebendo em silêncio uma situação que cerca minhas amigas, mas fiquei quieta porque não queria ser pessimista em relação a isso.

A maternidade é um assunto complexo e cheio de curvas, cada mulher interpreta a sua maneira a decisão de ter ou não filhos, mas existe um ponto em comum, as românticas pensam que só porque elas querem ter um filho, sonham com isso, o homem que elas amam tem a mesma ideia.

Não tem. A grande maioria dos homens não assume nem em pensamento, mas preferiria não ser pai, ora, dividir de graça a atenção da mulher e se ver obrigado a ser responsável? Quem gostaria disso? Muito poucos.
E alguns homens sabem que não querem ser pais, mas também não querem perder a mulher e acabam enrolados na situação.

Na fantasia da maioria das mulheres o pai é fundamental e quer ser pai, mas na vida real não é assim que acontece.

Uma vez eu falava sobre isso com um Romeu e comentei que talvez gostaria de ter filhos com ele, seria um desejo realizado e ele me respondeu:

-Você está fazendo a conta errada, não é um desejo, são três. O primeiro desejo teu é ter um filho comigo, o segundo desejo seria eu querer ter um filho com você, o terceiro desejo seria que eu quisesse assumir essa criança. E eu ainda não te amo o suficiente para pensar em ter um filho com você, então seria outro desejo pendente teu, ter um filho com um homem que te ama.

Na hora doeu horrores a resposta, mas hoje vejo a lucidez no que ele disse. Nós, mulheres, vemos o amor de maneira mais simples do que pensamos, se amamos um homem e temos vontade de ter um filho com ele, não pensamos se ele também está na mesma sintonia, assumimos logo a ideia de que casais que se amam querem ter filhos.

O que acontece depois dessa ideia de ter um filho com quem amamos eu estou vendo com minhas amigas, a criança chega e Romeu não é tão legal como parece, então elas evitam o conflito e fazem uma coisa que minha avó recomendava muito nos anos cinquenta: não incomodam o homem.

Deixa ele lá, não perturbe a alma sagrada de um homem nunca, menos ainda por uma criança.

E tenho uma conhecida que cruzei com sua mãe e me contou uma história, daquelas que me parecem tão familiares que perdi a conta.

A moça morava no meu prédio e a vi diversas vezes com seu namorado, um dia conversei com ela, que me contou sobre seu casamento, estava apaixonada e disse ''imaginou um bebê com os olhos dele?'', o rapaz estava ao lado e sorriu timidamente, mas não senti nele a mesma alegria que ela.

Acho essa cena linda, um bebê com os olhos do Romeu que tanto amo! Me derreto só de pensar! Se eu tivesse um bebê do Romeu com aqueles olhos esverdeados, nossa, eu ia passar o resto da minha cantando! E tenho certeza de que ele seria um ótimo pai, levaria o menino ao parque, ensinaria a andar de bicicleta e a desenhar!

De novo, é a minha ideia, não a do Romeu.

Minha vizinha deve ter sido seduzida pela mesma ideia, os olhos do seu amor em um bebê. Mulheres pensamos assim, se o homem nos ama quer que sejamos a mãe dos seus filhos.

Ah, Jesus que me ampare! Outra das grandes mentiras que nos cercaram, é mentira! Para começar bebês não tem nada a ver com o interesse romântico da mãe, podemos amar e querer muitos homens e nem por isso queremos ser mãe dos filhos deles, talvez a mulher nem quer ser mãe.

Me arrisco na minha teoria, a grande maioria dos homens não quer ser pai, não quer a responsabilidade que isso envolve e no começo da paternidade está se lixando para tudo o que acontece, finge a maior parte do tempo para agradar a mulher. Acredito que depois de um tempo, quando a criança começa a crescer os homens se envolvem e começam a curtir os filhos, mas antes disso me parece mais fantasia da mulher do que a realidade do homem.

E nem quero que me encham o saco com uma ou outra história de homens fofos, já disse mil vezes, é matemática, um homem fofo não representa milhões que não são fofos.

Sei que existem alguns homens que sonham em se tornar pais e adoram os filhos, mas são poucos e nem sempre o demonstram. 
Tenho um primo que desde pequeno se dava bem com todas as crianças, quando teve sua filha surtou, virou um pai babão, tão grudado na menina que ela prefere ficar com ele do que com a mãe, mas são muito raros esses homens.

Eles existem em quantidades enormes em nossas cabeças femininas, pensamos que eles também querem ser pais. 
E também não podemos ser hipócritas, quando eles assumem sua postura são criticados. Hoje eu entendo como são as coisas e as decisões de cada um, mas todas as vezes que escutei um homem dizendo ''Deus me livre ser pai', eu pulei em cima e o chamei de insensível, frio e maldito. 
Tenho um ex-Romeu que sempre me disse que preferiria se jogar de uma ponte a ter um filho e tivemos brigas terríveis por isso, eu sabia que nunca teria um filho com ele, mas o fato dele não querer ter filhos me dava a impressão de que não poderia ser boa pessoa, em uma discussão acalorada, da qual me arrependo, o chamei de mau-caráter! 
E tudo isso porque ele não queria ter filhos!
Mas eu agia como tinham me ensinado, era boba, ingênua, romântica e me parecia que um homem que não queria ter filhos com a mulher que ama era um monstro, um erro bizarro da natureza.

E o pior é quando as mulheres percebem que o homem não vai prestar para ser bom pai e mesmo assim se atrevem a ter um filho com ele.

E minha vizinha realizou seus desejos, se casou e teve um lindo menino com os olhos do Romeu que ela amava. Gostaria de fechar a história aqui, dizer que o amor vence tudo e não tem coisa mais bonita no planeta do que uma mulher apaixonada que encontra seu Romeu e consegue ter um lindo bebê com os olhos do pai. Será que tem visão mais perfeita no mundo do que ver no nosso filho os olhos do homem que amamos? E se meu filho tivesse além dos olhos do pai, aquele sorriso meio torto, meio tímido, meio malandro? Nossa! E se puxasse aquela maneira de falar dando risada? Ah, não acredito que possa existir nada melhor do que isso.

Mas encontrei a mãe da minha vizinha e ela me desceu das nuvens, lembrando a realidade. Ela estava de um lado para outro no corredor, tentando acalmar o bebê, que parecia com calor. Me contou que sua filha mora no norte da cidade e trabalha no sul, então sai de casa as cinco da manhã, carregando o bebê, pega ônibus e traz a criança ao centro da cidade, para que fique com a avó, daqui vai para o sul da cidade onde trabalha e de noite passa pela criança e volta para o norte da cidade. Tudo isso em uma cidade com um trânsito louco, um transporte desumano e um péssimo desenho urbano, que consome o tempo, saúde e a paciência da pessoa. E o bebê tem menos de quatro meses, nem deveria estar circulando tanto por uma cidade cheia de bactérias.

Não resisti a perguntar onde ficava o marido na história e ela me respondeu:

-Ah, ele é ótimo, compreensivo, mas é um pouco preguiçoso, ele trabalha a uns quarteirões de casa, então acha meio pesado trazer a mulher e o bebê ao centro, levar a mulher ao trabalho no sul e voltar para o norte todos os dias.

Mas não é? Pra quê incomodar o homem? Para a mulher não deve ser pesado carregar um bebê de dez quilos, a sacola com as fraldas e cruzar a cidade de metrô, pelo contrário, acho que deve ser bem rápido e simples, eu não consigo imaginar nada mais divertido do que isso.

Peraí, a fantasia era de quem mesmo? DA MULHER!
Foi ela que me disse que sonhava em ter um bebê com os olhos do seu Romeu, ele não disse nada e pelo seu comportamento parece que não estava de acordo.

Que tipo de marido é esse, que deixa a mulher sair de casa, cruzar uma cidade carregando o bebê e não leva porque dá preguiça, mas fica com o carro?

Como eu posso defendê-la, se o marido não tem culpa da burrice da moça? A essa altura o carro deveria ser dela, não dele, mas imaginou, o homem ir a pé ao trabalho? Nem pensar!

Quando vamos parar de ser tão burras e sonhadoras? Quando vamos perceber que esses sonhos românticos nos arrancam a pele sem dó? Quando vamos aceitar que todas essas ideias rosas são um plano perfeito do machismo para nos manter longe do sistema?

Não tenho mais argumentos para linchar os homens nos meus posts, porque vejo amigos que são casados e as esposas não estão amarradas ao pé da cama, então por que continuam ali? Uma mulher precisa cruzar a cidade de ônibus, carregando um bebê, enquanto o homem vai ao trabalho de carro? E não vou nem entrar naquele detalhe de que se ele tivesse condições ela poderia ficar em casa um pouco mais. 

Mas falo o que dos homens? Crime é bater, colocar a arma na cabeça, estuprar, chantagear e obrigar, mas se a mulher está em um relacionamento assim, de quem é a culpa?

E me pergunto uma coisa, como uma mulher como minha vizinha consegue beijar o marido e ter relações com ele à noite? Porque se fosse eu não teria clima para transar com um homem que me deixar cruzar a cidade de ônibus carregando seu filho enquanto ele vai de carro! Eu ia morrer de ódio!

Não tenho nada contra fantasiar e pensar coisas românticas, eu também penso muita fofice em relação ao Romeu, mas é o que já disse milhões de vezes, é só fantasiar de olhos abertos, sem esperar nada e sabendo que estamos sonhando sozinhas, eles não pensam nem agem como nós.

Temos que crescer e aceitar a realidade. Eu também adoraria ter um filho com Romeu e que ele ficasse louco com a criança e assumisse seu papel de pai, mas é uma fantasia, nem me atrevo a dizer que acontece com poucas, porque as mulheres escondem a realidade, a grande maioria é casada com um homem babaca, que é um pai medíocre, mas elas não falam isso, assumem sua parte mafiosa e o protegem de tudo e de todos.

Também penso que seria estonteante ter um bebê com os olhos do Romeu e que fosse muito amado pelo pai, mas é uma fantasia minha, não dele! 

Caramba, como podemos ser tão sonhadoras se nossa pele está queimando há séculos? Não estamos em um lugar confortável para seguir sonhando dessa maneira demente. Todas as mulheres, todas, conhecem mais histórias de pais que abandonam do que pais presentes.

E nem venham me dizer sobre essa nova geração de pais, que participa de tudo, sei como é, não passa de teatro barato e de uma necessidade orgânica de ''pagar de gatinho''. Essa nova geração não me engana, podem circular à vontade no supermercado carregando bebês, não me impressionam porque sei que são tão ou mais machistas que meu avô.
Acredito sinceramente no encantamento da mãe, vejo minhas amigas babando e encantadas com os bebês, mas jamis diria a mesma coisa sobre um homem.

Meus gritos aqui estão se resumindo a uma coisa: tudo o que sonhamos em rosa está sendo usado contra nós e de maneira grotesca e cruel. Temos que crescer e nos libertar, parar de ser tão burras e perceber que estamos dando munição para o machismo continuar nos dominando.

Entendo e respeito a necessidade da mulher de querer ter um filho com o homem que ama, eu defendo essa ideia, se eu tivesse que ter um filho agora sei exatamente com quem gostaria que fosse. Sou daquelas que acredita que bebês devem ser feitos com amor, que isso fica na energia deles. Mas temos que entender que os homens não pensam nem sentem como nós, não é a mesma coisa e não existe amor no mundo que faça duas pessoas pensarem da mesma maneira, o amor soma, não anula.

Não podemos mais continuar agindo dessa maneira surtada como estamos agindo, pensando na parte romântica e relevando o resto. Eu quero um bebê com os olhos de Romeu, mas a realidade é ele querer também, assumir sua parte e a lista enorme que vai durar anos, desde as fraldas até a faculdade.

Nossas fantasias e sonhos são nossos, não dos outros. Todas temos o direito em sonhar em ter um bebê do homem que amamos, mas isso não o obriga a pensar a mesma coisa e pior ainda, não podemos estar expostas em um relacionamento ruim em nome desse amor que sentimos.

É necessário ter consciência, se queremos um bebê, tudo bem, é nossa vida, mas não podemos seguir protegendo os homens quando eles fogem ou se comportam de maneira equivocada.

E pode parecer machismo, mas é feminismo. E falo de justiça e igualdade, é correto uma mãe atravessar a cidade com o bebê, enquanto ele fica com o carro? Não, mas quem se colocou ali? Ela. 
Não posso detonar o rapaz, ela tem uma ótima mãe e poderia voltar a sua casa, estaria mais tranquila do que vivendo com um egoísta e sem consideração. E digo mais, se já começou assim, imagina lá na frente, se ele não se comove com a mulher e o bebê no ponto de ônibus de madrugada, vai se comover com o que?

Precisamos acordar e não permitir mais os abusos, se o homem não está a fim de ser pai, azar o dele, que vá embora, mas a mulher não pode abaixar a cabeça e tolerar o abuso.

É fato que os homens são abusadores, exploram, mas vamos começar a encarar a realidade, nós estamos sendo burras e sonhadoras, ficou muito fácil para eles. Ou a gente acorda ou vamos continuar no ônibus, carregando um bebê, enquanto eles vão de carro ao seu destino e sem dó.



Iara De Dupont

2 comentários:

Cristina disse...

Muito obrigada por abrir os meus olhos, Iara. Foram anos sofrendo essa maldita lavagem cerebral que chamam de romantismo mas com a ajuda do feminismo e de mulheres que sabem das coisas, como você e sua abuelita, eu consegui abrir meus olhos, ainda estou cavando meu caminho pra fora do buraco mas vou sair dessa furada. Obrigada, Iara. Que cada vez mais mulheres acordem e joguem lixo no lixo.

Rafaela disse...

Iara, você é demaaaais :D. Sempre leio os textos mas nunca comento. Decidi comentar porque gostei muito dos últimos posts, acho que você faz um serviço de utilidade pública aqui. Se alguém tivesse me dito todas essas coisas uns anos atrás, acho que teria me livrado de algumas pequenas roubadas.
Quanto ao post: eu vejo muito isso, homens que não querem ser pais. Tenho alguns amigos assim que admitem isso numa boa. Mas acho que você tem razão, a maioria não quer mas não tem coragem de assumir, inclusive já ouvi isso de um amigo homem (um dos que admitem abertamente que não quer saber de filhos). Eu nunca tive uma reação dramática quanto a isso, especialmente porque eu também nunca tive muita vontade de ter filhos. Eu entendo quem decide ter, mas entendo mais ainda quem decide não ter. Só não consigo ser tão compreensiva com os homens que não querem ter e omitem isso das namoradas/esposas. Acho que é algo sério demais pra ser tratado de uma forma tão leviana. Se não quer, então pelo menos assuma que não gosta de cuidar de crianças e que não vai estar disposto a ajudar. Mas claro que isso é algo bem utópico, né. Só que tem outra coisa: eu acho que boa parte das mulheres(senão todas) sabe de antemão se o cara vai ser bom pai ou não, se vai cuidar dos filhos, etc. Só que muitas preferem não ver, preferem não admitir isso, se apegam à ideia romântica da qual você falou e ignoram todos os sinais que o homem dá a respeito. E as pessoas dão sinais o tempo todo. Então não dá pra culpar só o outro lado. Conclusão: não consigo sentir pena de nenhum dos dois lados da história.
Acho que é um pouco o que alguém comentou em um dos últimos posts: no Brasil, existe um status no fato de ter um homem, e muitas mulheres preferem comer o pão que o diabo amassou do que abrir mão desse status. Então cada um que carregue o fardo que escolheu. Pelo menos quem lê seu blog não vai poder dizer que foi por falta de aviso, né :).
Um beijo e sucesso pra você.

Leia outros posts....

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...