ADICIONE O BLOG SMM AOS FAVORITOS! OBRIGADO PELA SUA VISITA E LEITURA!

DESDE 2010. ANO VI. MAIS DE 2.000 POSTS.

GUEST POST NO ESCREVA LOLA ESCREVA

CURTA NO FACEBOOK


E-MAIL
sindromemm@gmail.com

16 dezembro 2015

Agora virou novela (mas é tanto amor!)


Minha avó sempre dizia que existiam duas situações na vida: as que ainda estão por se resolver e as que já foram resolvidas.

E isso fica cada dia mais claro para mim.

Tenho uma amiga que vai batizar seu filho semana que vem e eu recusei o convite para ir na festa. Ela me mandou um recado dizendo:

-Iara, supera tá? Ele está de ''boa'' e você também pode ficar. Quanto tempo ainda mais você precisa para esquecer? Você se afastou de nós por isso, já deu.

Ah, sim, faz tempo, acho que foi em 2008. Essa moça era minha amiga desde pequena, conheço seu irmão desde criança, mas fiquei anos sem vê-lo. Em 2008 a gente se encontrou em uma festa e acabamos engatando um namoro.

Um homem inteligente, adorável, bem humorado e divertido. Foi um começo de namoro estranho porque eu sentia que ele escondia alguma coisa, mas acabei ignorando os sinais, depois percebi que ele tinha duas vidas, estava namorando comigo, mas continuava saindo com outras e caindo na farra. Isso virou uma guerra entre nós, eu discutia, argumentava, ele negava, depois de um tempo começou a aceitar as traições, mas dizia que ''nem era para tanto''.

Um dia estávamos na casa dele, era de noite e começou uma discussão por esse motivo. Ele não subiu o tom de voz, nem gritou, mas se aproximou de mim, agarrou meu pescoço, levantou a outra mão e me disse com os olhos gelados ''fala mais alguma coisa e eu te mostro como faço vadias como você sumirem do mundo''.

Fiquei paralisada, encostada na parede, sem poder me mexer, o cachorro dele começou a latir e pulava sem parar, acho que isso o chamou de volta a realidade e saiu do seu surto. Eu nunca apanhei de homem, não tive (graças a Deus) o registro na infância, meu pai, avô, tios, irmão, primos, nunca, nunca, nunca encostaram a mão em mim, por isso talvez, a cena me pareceu tão assustadora, eu nunca tinha passado por uma coisa dessas.

Não lembro como fui embora, mas nunca mais voltei, fiquei morrendo de medo dele e desapareci. 
Não sei a versão que ele deu do fim do namoro, mas eu nunca disse nada por medo, me assustei demais aquela noite e tudo morreu ali, o olhar dele parecia de outra pessoa e eu não soube o que fazer e não era de alguém brincando, era alguém que parecia saber até onde poderia ir.

Fiquei tão intimidada que me afastei do grupo de amigos, o qual ele estava. A irmã dele me convidou para o casamento, festa disso e daquilo e nunca fui. Em algum momento ela me ligou e disse que eu não poderia tratar um fim de namoro de maneira tão dramática, que o irmão dela já tinha dito que minha presença em qualquer festa seria bem vinda, já que não tinha nada ''contra'' mim.

A situação ficou assim durante um tempo, depois ele começou a mandar recados pelos amigos, dizendo sentir minha falta. Os amigos me viam sozinha e comentavam de que seria boa ideia voltar a namorar.
Mas o que ficou claro para mim era o seguinte, a situação, como dizia minha avó, já estava resolvida, não há nada para dizer nem mexer ali, já está resolvido, eu não quero ver ele nunca mais na minha vida, é o único homem que me fez sentir medo e não dá para descrever o momento em que você está sozinha em uma casa e descobre que teu namorado, aquele cara engraçado, vira um monstro capaz de qualquer coisa.

Essa situação está resolvida e me parece que para ele também, porque ele jamais tentou se aproximar, coisa que vou agradecer até o último dia de vida. Se amanhã ele se casar, eu sou uma situação resolvida na sua vida, caso a esposa pergunte ''quem foi essa Iara?'', ele pode responder tranquilamente ''ninguém'' e eu no mundo invisível assino embaixo.

O que vem me atormentando nos últimos dias é o outro lado da questão, as situações não resolvidas na nossa vida e suas consequências.

Minha mãe diz que desde pequena sou obcecada com algumas coisas, que desde os quatro anos a frase que mais repito é ''isso não está certo''. Meus pais foram eticamente e moralmente rígidos e meu avô, figura presente durante minha infância, também era muito correto, mesmo assim ninguém na família nunca entendeu de onde puxei o que minha avó chamava de ''complexo de monge'', quando eu via uma coisa errada eu dizia e aquilo me atormentava por dias.

Esse excesso de rigidez e ética atrapalhou toda minha vida, porque é muito bonito na teoria, mas não funciona no mundo que vivemos e até me atrevo a dizer, é uma atitude anormal pensar no que está certo ou não, as pessoas fazem o que acreditam.

Já perdi dinheiro, trabalho, amigos e amores, simplesmente porque as coisas erradas me atormentam, desde as pequenas até as grandes. 

Uma vez eu estava viajando de carro e parei em uma loja no meio da estrada, comprei algumas coisas e voltei ao carro. No meio do caminho percebi que eu tinha dado a moça uma nota de dez reais para pagar alguma coisa de dois reais, ela deveria ter me dado o troco de oito reais, mas se confundiu, acho que pensou na nota de cem reais e me deu oitenta reais de troco. Sei que quando falta dinheiro no caixa os gerentes obrigam os funcionários a cobrir, então aquilo começou a me atormentar, eu estava no carro com uma amiga e decidi voltar, ela surtou e disse ''porra nenhuma, já foram mais de cem quilômetros, se a gente voltar vai acabar gastando oitenta reais em gasolina''. Não tive como convencer minha amiga e aquilo estragou meu fim de semana, fiquei com isso na cabeça. E só não foi pior porque quatro dias depois voltamos pela mesma estrada, paramos na mesma loja e encontramos a mesma moça, então eu devolvi o dinheiro.

Muita gente diz que essa é a origem do meu tormento, meu excesso de ética, que eu preciso mandar tudo à merda e dizer o tempo inteiro ''foda-se, não é meu problema, não sou eu, não é meu dinheiro, não é minha vida, não é meu rolo, que se dane''.

E ainda existe uma mistura mais explosiva na minha vida, quando a ética bate de frente com uma situação não resolvida, então eu começo a sofrer, bater a cabeça na parede e a perturbar todo mundo ao meu redor.

E me encontro nela neste momento, neste segundo, tudo por causa de um Romeu. Ele apareceu do nada e resolveu agitar as pouco maleáveis estruturas da minha vida. Ele joga, aparece, desaparece, alterna áudios meigos com mensagens que visualiza e não responde. Não sei o que existe entre nós, além de uma situação mal resolvida.

Mas é o que minha avó dizia, é uma situação mal resolvida e isso começa a mexer coisas que deveriam ser respeitadas.

Sou daquelas pessoas que acreditam em energias, intenções e frases silenciosas, sei que podemos dizer uma coisa, pensar outra e agir da maneira mais imprevisível.

Eu resolvi, em sã consciência, entrar no jogo dele, até porque sinto em cada segundo da minha vida que ele é uma situação não resolvida.

Não tenho problema nenhum em brincar um pouco, até agora os únicos que se queixam são meus amigos que não aguentam mais escutar sobre o assunto. Mas existe um personagem que me tira o sono e me faz recuar, a namorada do Romeu, e a cada mensagem que recebo do Romeu, juro nunca mais responder, porque me sinto culpada com a moça.

Minha mãe é mais prática e me perguntou:

-Você sabe que tipo de relacionamento eles levam? Pode ser aberto? Sabe se ele contou sobre você e ela disse ''tudo bem, foda-se, é teu passado''? Você sabe se ele mostrou as mensagens e os áudios e ela pode ter dito ''ai, amor, que legal achar uma amiga depois de tantos anos''. A namorada dele é problema dele, é ele que tem que respeitar, você nem sabe a posição dela em relação ao que está acontecendo.

Esse é o ponto! O que está acontecendo? Não adianta jogar mel e dizer que são dois amigos que se reencontraram, eu não sinto isso, pelo menos não da minha parte, não  tenho intenções de amizade com ele, não navego nessa pureza e ele também não deve ser tão meigo assim, porque continua me procurando, mesmo que seja para ter conversas vazias sobre alienígenas que um dia vai invadir a terra.

E de repente me parece que não estou fazendo o certo, ao saber da namorada eu deveria me afastar, é uma questão de respeito, e ele também se suja, eu não gostaria de ser sua namorada e achar mensagens de uma ex no celular.

Minha mãe surta quando começo a divagar sobre o assunto e diz:

-Que mensagens? Vocês trocaram juras de amor? Falaram sacanagem? Eu não escutei! Você me mostrou todos os áudios e só escutei o Romeu que eu conheço, aquele moleque que faz piada com tudo, falando besteiras, não tem nada ali que o comprometa, se a namorada achar e for inteligente vai perceber que é ele sendo ele, sem más intenções.

Mas parece errado! Em um áudio eu disse a ele que era melhor falar de noite no skype e ele respondeu dizendo ''ah, não, manda áudio, morro de saudades de tua voz''. 

Eu não gostaria de pegar isso no celular do meu namorado, mesmo que seja inocente a brincadeira e com uma divisão física de dezoito mil quilômetros.

Já outra amiga, também de alma prática me disse:

-Ele te contou sobre a namorada?

Não.

-Como você sabe? 

Dei uma geral no Facebook dele! Tem umas fotos, declarações, mas tudo bem discreto.

-Ele nunca te disse nada, nada?

Não, mas acho que é um lance dele, assim, ele sempre foi reservado, não é de sair falando de família nem amores, eu lembro que quando a gente namorava ele nunca me falava sobre ninguém, só agora fiquei sabendo de umas coisas que envolveram a mãe dele, mas me contou agora no skype, porque comentei uma coisa que atravessava o assunto.

-Pode ser que nem seja um namoro tão firme assim, pode ser que ele queira manter a moça longe da galinhagem dele!

É, pode ser, por isso estou tão atormentada, não quero sujar meu carma e me envolver uma história dessas, e se ele faz isso com ela, deve fazer isso comigo também, talvez tem uma lista de ex-Julietas e mantenha contato com todas.

-Vai fazer o quê?

Vou sumir!

-É, vai sumir mesmo, até ele ligar de novo, daí você aparece.....

É bem isso, quer dizer não sei, acho que agora vou sumir, me sinto mal pela namorada, acho errado o que está acontecendo, não tem nada de comprometedor nos áudios, pelo contrário, passamos mais tempo falando da vida alheia do que da nossa, porque estudamos na mesma escola e ficamos falando dos velhos conhecidos, não tem nada ali malicioso, mas ao mesmo  tempo tem, eu não estou ali à toa nem ele, estamos jogando pelos dois lados e isso não é honesto, porque ele tem namorada.

-Criatura, a namorada dele é problema dele!

Não é! O mundo está na merda porque todos dizem ''foda-se'' para o outro, ela é meu problema no momento que penso ''eu gostaria de achar um áudio do meu namorado dizendo a ex que sente falta de sua voz?''. Não, se isso acontecesse o pau ia comer! Eu sei que ela existe e isso é suficiente para mudar tudo, é uma questão de energias, quando temos consciência das pessoas envolvidas não podemos dizer ''eu não sabia''. Alguma coisa circula no ar, está ali, sabemos que não somos dois amigos que se reencontraram, tem essa energia estranha dando voltas sabe?

-Então some.

Não posso, é uma questão pessoal minha, uma situação não resolvida e que mexeu com muitas coisas, o que tive com ele pertence a minha história e vai ter que ser resolvido um dia, paciência. O que eu sinto por ele, o que não se resolveu, essas coisas pertencem a nós e ainda abala os dois, caso contrário não estaríamos estendendo tanto uma conversa.
E fico pensando, quantos Romeus devem existir lá fora que não resolveram suas situações e estão falando com alguma mulher de seu passado? O dia que eu tiver um namorado vou dizer a ele ''olha, resolva todas as questões do seu passado, porque algumas voltam na pior hora para serem resolvidas e podem mudar tua vida''.

-Não vai ter uma espaço de paz nisso Iara? Se ele não fala com você, já sabe, você surta e diz ''por que ele sumiu?'', se ele aparece você diz ''caramba, e se a namorada dele pegar o áudio?''. Você tem que achar um espaço em que possa navegar sem tanto conflito! Você sempre sofre, não importa o lado que estiver da situação! Tem que achar como ficar tranquila no meio de tudo isso.

Não! É meu jeito caótico, extremista e sem pele de viver! E como posso evitar o conflito no momento em que presente e passado batem de frente? Eu só queria que ele estivesse sozinho, porque em caso de qualquer merda é nossa responsabilidade, sem envolver ou machucar ninguém. Poxa, imagina a namorada dele escutando ele dizer a outra que sente falta da voz?

-É isso mesmo, a namorada dele, não a tua! Que se foda! Na real, para de encher o saco com isso e vai escrever uma novela, já tem tudo o que se precisa.

É, já tenho mesmo, até porque nem preciso escrever uma novela, já estou vivendo nela.


Iara De Dupont

3 comentários:

Patricia Gabriel disse...

Iara,se não deu certo da primeira vez,vai dar certo agora?Esse cara não está te usando,não,te enrolando para ver qual é a tua?E,voce tem razão,tem o lance da namorada,sei não...

Iara De Dupont disse...

Pati, não sei o que está acontecendo......na primeira vez não deu certo por alheios, e depois teve aquela história que eu contei no post ''a vergonha de ser gorda''...... não sei o que ele quer agora, mas tenho que pagar pra ver né.....ou melhor, já estou pagando.

Suzana Neves disse...

Vai levando......

Leia outros posts....

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...