ADICIONE O BLOG SMM AOS FAVORITOS! OBRIGADO PELA SUA VISITA E LEITURA!

NOVIDADE!

NOVIDADE!

Nota:O formato PDF dos livros acima pode ser acessado em qualquer plataforma, inclusive Windows, Mac OS e plataformas móveis como Android e iOS para iPhone e iPad.

Os posts mais lidos viraram livros e não estão mais disponíveis no blog.

DESDE 2010. ANO VI. MAIS DE 2.000 POSTS.

GUEST POST NO ESCREVA LOLA ESCREVA

CURTA NO FACEBOOK


E-MAIL
sindromemm@gmail.com

12 março 2015

Não tenho as respostas, apenas as perguntas


Depois de um tempo a vida vai no truque. Por questões de energia, tempo e saúde mental, vamos aprendendo a driblar as coisas que nos atormentam, sem fazer tanto drama.

Tenho mais de trinta anos de experiência com a balança, conheço tanto o caminho que hoje pego atalhos.

No ano passado dei uma apertada na dieta e consegui emagrecer um pouco, não estava perto da minha meta, mas também não estava longe. Nessa mesma época que cheguei a um bom peso, meu pai faleceu e minha vida deu uma virada interna.

Perder pai ou mãe sempre mexe com a nossa estrutura de vida, tudo se move. E naquele momento perdi o foco do meu peso, da preocupação em me manter na linha e acabei engordando tudo de novo.

E não tem desculpa, comi mesmo, troquei coisas saudáveis por besteiras, mas fiz sem culpa nem remorso, comida me dá conforto e precisei dele. Também estou cercada de pessoas na minha família que podem ter qualquer problema, mas peso não é um deles, pelo contrário, se divertem horrores comendo e não engordam um quilo. Fui no embalo, mas estava consciente, não foi acidental.

Em outros tempos quando me dava conta de ter engordado, começava uma ópera, surtava, enlouquecia. Voltava a restringir a comida, chorava por dias, me isolava.

Isso aconteceu até que me contaram sobre aquele velho truque, de ir mudando devagar a alimentação, para emagrecer e fazer isso sem pressa. Mas ao mudar tudo precisei resolver um problema, a surtada. 

Eu ficava deprimida, angustiada e a sensação de roupa que aperta é péssima, ninguém quer passar por isso.

Conheci então uma senhora nos Vigilantes do Peso, que tinha pelo menos trinta anos entrando e saindo de lá e parecia não se importar com o fato.

Estava fazendo a dieta direito, mas um dia travei e acabei engordando um pouco. Nesse dia eu estava muito sensível e acabei chorando no elevador com essa senhora, eu estava morrendo de ódio, cansada de trinta anos de regras, limitações e prazeres que custam caro. E ela me disse:

-Querida, com esse sofrimento não dá, nem a vida anda. A dor paralisa. Qual o problema? Engordou? Amanhã começa de novo!

Esse é o ponto, começa de novo, começa de novo, começa de novo, porra, eu escuto isso há trinta anos!

-Mas é que você se concentra em apenas um fato. Eu faço o seguinte, se tenho que começar no dia seguinte, sacudo a poeira e começo, mas me concentro no resto, pinto o cabelo, mudo a cor do esmalte, compro cremes hidratantes, vou me cuidando em outras coisas, assim não fico tão focada na minha perda de peso e vou dando uma mão para a auto-estima. Ficar batendo a cabeça na parede não resolve nada, só causa mais sofrimento, é melhor perder tempo escolhendo uma nova cor de esmalte, comprando brincos, caprichando no visual, assim você perde peso sem estar tão tensa. Não espera emagrecer para começar a se arrumar mais.

Achei que tudo ali era conversa furada de uma pessoa que queria ser gentil. Ora, comprar esmaltes no meio de uma dieta? Que diferença poderia fazer?

Mas naquele momento não tinha escolha e resolvi fazer isso, procurei um perfume novo, me concentrei em outras coisas ligadas a minha aparência. Sempre gostei de fazer coisas em casa, como hidratar e esfoliar com produtos naturais, mas parei um tempo por preguiça, depois acabei voltando e me diverti muito.

E agora que voltei a estaca zero resolvi usar esse truque novamente, tirar a atenção do peso, não pensar muito nisso e me concentrar em outras coisas, para que não vire um calvário novamente.

Levo muitas coisas em conta quando subo de peso, costumo dizer que não é um processo solitário, depende até da lua. Todos passamos por fases e em alguns momentos estamos mais introspectivos e acabamos comendo mais, em outros temos mais energia e gastamos essas calorias. Os planetas se movem, estamos à merce de energias tensas o tempo inteiro, até pela situação política do país e tudo isso acaba nos afetando. Algumas pessoas fumam mais, outras bebem, outras comem, outras malham.

Tenho navegado nos últimos tempos em muitas dúvidas, incertezas, tédio e frustração, impossível pedir que meu corpo não reflita um pouco da agonia que minha alma e mente carregam.

Mas não tenho mais energia para montar todo o drama que cercava minhas dietas. Hoje tento me concentrar em começar de novo, comprar outros produtos de beleza, me arrumando de outros jeitos, para que o ganho de peso não me puxe ao abismo. Quem já passou por isso sabe, quando a gente engorda e não queria mais engordar, começa a perder a noção das coisas, se deprimir e parece que surge uma energia ruim, que começa a nos puxar para um lado sinistro e assustador, alguma parte da nossa alma onde pensamos ''que se foda tudo, vou comer o que eu quiser, a hora que quiser''. É essa corda que tento cortar cada vez que engordo, para que não me puxe em direção das pedras.

E tem me ajudado muito focar em outras coisas, mesmo sem gostar de esmaltes, vou lá e compro, uso nem que seja uma semana. Hidrato o cabelo, corto, passo óleo de amêndoa, compro um hidratante que eu não tenha experimentado, mudo de perfume e de cor de batom, tento fazer coisas que me divertem, tiram minha mente da dieta e me mostram que não estou na balança, não vivo nela e posso me divertir um pouco, enquanto passo pelo chato e eterno processo de perder os quilos que ganhei.

E tento não pensar nisso, não ficar presa na ideia. Não sei porque meu corpo é assim, nem sei porque vim ao mundo com esse carma, não tenho a menor ideia e uma vez me falaram em um centro espírita que só vou ter respostas depois de morrer, nesta vida só tenho as perguntas.

Sempre escuto isso ''paciência'', ''paciência'', ''paciência''. Na luta contra a balança, paciência e um perfume novo são a única coisa que me resta.

Iara De Dupont

2 comentários:

Alessandra T. disse...

Ai querida me abraça? (rs)
Essa montanha russa de peso também tem me deixado louca.
Preciso focar em outra coisa ou enlouqueço de vez e essa cobrança não vem de fora, de ninguém, é minha mesmo.
Seguimos juntas.
Beijos

Suzana Neves disse...

Escrever tira o meu excesso de peso de foco.
Principalmente meus poemas ,ando angustiada também nao tanto pelo peso nas sério nao aguento redes sociais eu me afastei e diminui dois quilos nao sei o que tem de haver mais funcionou.

Leia outros posts....

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...