ADICIONE O BLOG SMM AOS FAVORITOS! OBRIGADO PELA SUA VISITA E LEITURA!

NOVIDADE!

NOVIDADE!

Nota:O formato PDF dos livros acima pode ser acessado em qualquer plataforma, inclusive Windows, Mac OS e plataformas móveis como Android e iOS para iPhone e iPad.

Os posts mais lidos viraram livros e não estão mais disponíveis no blog.

DESDE 2010. ANO VI. MAIS DE 2.000 POSTS.

GUEST POST NO ESCREVA LOLA ESCREVA

CURTA NO FACEBOOK


E-MAIL
sindromemm@gmail.com

27 fevereiro 2015

Romeu e Julieta: se precisar de ajuda procure um psicólogo (não use a cama)


Recentemente conheci a namorada de um amigo. Ele me parece muito feliz e quando ela está perto ele faz constantes elogios, principalmente sobre sua aparência.

O primeiro elogio me pareceu normal, mas depois de escutar uns quatro, senti alguma coisa estranha e assim que a moça se afastou, perguntei ao meu amigo porque ele não parava de elogiar a namorada, e me respondeu:

-Ah, ela é super insegura e quero que se sinta bem no relacionamento. E qual o problema de elogiar? Não é você que fica dizendo que homens são indiferentes e não sabem reconhecer uma mulher? Só quero que se sinta amada e desejada.

Misericórdia divina! É possivel fazer um ser humano se sentir amado e desejado? Não é muita pretensão desse sentimento superestimado como o amor?

Já vi isso com Julietas e famosas. Uma super modelo vive elogiando o marido atleta nas redes sociais, mas ele não retribui nada. Ah, mas pode ser que em casa ele fale! Duvido, conheço os homens e posso quase afirmar que todos pensam que é dever da namorada elogiar e incentivar o namorado.

Tenho amigas que elogiam o dia inteiro, querem que Romeu se sinta amado e reconhecido. E já falei disso antes, sou a favor de elogios em relacionamentos, ajudam, amenizam e fazem bem a alma, mas não é a mesma coisa elogiar do que passar o dia ''elogiando''.

Mantenho a teoria de que inseguranças e traumas devem ser tratados em consultórios, não em camas. E aprendi isso com um Romeu, que me jogou na cara a chatice que era conviver com uma pessoa cheia de complexos como eu.
Uma dia, no meio de uma briga, disse:

-Se você tem problemas com teu corpo, resolva. Não sou teu psicólogo, psiquiatra, nem analista. Eu não tenho problemas com teu corpo, eu gosto, quem não gosta é você, ou seja, o problema é seu, se não sabe lidar com seu corpo procure ajuda profissional, mas não me atormente com seus traumas.

Semanas depois em outra briga, quando reclamei que não me elogiava, me respondeu:

-Não gosto de perder tempo. Se faço um elogio a uma mulher bem resolvida, ela agradece e a vida segue, mas se faço um elogio a uma mulher como você, que todos os dias briga com o espelho, é como cutucar a onça com vara curta, você vai me encher o saco o dia inteiro, dizendo que estou te sacaneando, que só elogiei porque quero alguma coisa ou estou te tratando como idiota. Elogio só vale a pena para a pessoa que tem autoestima, se for insegura recebe o elogio como uma declaração de guerra.

Esse Romeu terminou o namoro comigo alegando que não aguentava mais minhas crises de baixa autoestima e doeu tanto que  acordei para a vida e entendi, meus problemas, complexos e traumas são meus, não são assunto de relacionamentos nem tenho que jogar isso em cima de ninguém, aprendi a fechar a boca, se eu quiser falar sobre isso marco uma consulta com um psicólogo.

Mas não sou a única que errei nesse aspecto, vejo centenas de Romeus e Julietas correndo atrás dos elogios dos seus amados e amadas. E pior do que ficar tentando amenizar a insegurança do outro, é que não nos damos a mesma atenção.

Lembro de um episódio durante um ensaio com um casal de atores, fazia pouco tempo que tinham começado o namoro e ela parecia enfeitiçada. Não sei dizer se o diretor fez de propósito, mas colocou o rapaz para ler um texto e pediu a namorada que desse uma opinião. Ela ficou encantada e começou a cobrir o rapaz de elogios. Em seguida o diretor pediu a ela que lesse o mesmo texto e ao final perguntou a ela qual era sua opinião sobre sua leitura. Ela foi dura, disse que estava nervosa, leu rápido, se enrolou. E o diretor concluiu:

-Podia ter dividido os elogios não é? Se ele fosse como você o vê e você se visse como o vê, então eu teria uma dupla maravilhosa de atores. Mas tenho uma atriz que não se elogia e se excede ao elogiar o outro, não tem equilíbrio aí. Não podemos elogiar mais o outro do que a nós mesmos, porque nunca vamos conhecer ninguém como nos conhecemos e sabemos o quanto precisamos de elogios e o quanto fizemos para merecer. Sempre desconfio de pessoas que são capazes de elogiar um namorado, mas incapazes de se elogiar. Alguém que quer ajudar o outro a superar suas inseguranças, mas não supera as própias, não me parece de confiança, é uma pessoa frágil.

E tudo sempre volta ao mesmo ponto, primeiro vamos nós, depois os outros, é a lei da vida. Primeiro a gente se ama, se elogia, se cuida, se incentiva, depois podemos sair distribuindo pelo mundo nossa segurança.

Há anos que abandonei meu posto de mamãe no parque, aquela que aplaude Romeu subindo no balanço, jogando bola e correndo. Sou a favor de elogiar e faço com gosto quando é merecido, mas não sou mais babá de inseguranças alheias. Não sou profissional da saúde e minha orelha tem agora um limite de tolerância a crises de baixa autoestima do Romeu. E também uso esse critério comigo, se quero me detonar ou estou em um dia péssimo, mordo a língua, não comento nada sobre meu corpo com Romeu.

É muito desgastante passar a vida elogiando uma pessoa para que se sinta melhor, ora, não fazemos isso nem com nós mesmos!  E não importa se é um Romeu ou uma Julieta, muitos são inseguros, outros egocêntricos e alguns são vampiros e querem somente nossa energia. E já que temos tanta energia deveríamos direcionar ela para nossa vida, não sair dando de graça a qualquer um. Elogio é verbo, adjetivo, substantivo e energia. Aquela que tanto precisamos muitas vezes e ninguém dá, mas também, quem mandou dar a nossa?

Iara De Dupont



http://sindromemm.blogspot.com.br/

3 comentários:

Anônimo disse...

Conviver com você deve ser um martírio.

Continue acreditando na psicanálise: essa é a queda livre rumo ao fundo do poço.

Iara De Dupont disse...

Na verdade anônimo não é privilégio meu, nem exclusividade divina, conviver com qualquer ser humano é um martírio, inclusive você.

E que pena que não acredita na psicanálise,eu estava pensando em te sugerir ela, para ver se você consegue superar essa paixão intensa que sente por mim e pelo meu blog.

Anônimo disse...

Trollzin anônimo, o verdadeiro martírio seria conviver com mascus... isso é, se vocês tivessem coragem de mostrar ao mundo que são e viver do modo que acreditam.

É triste que um problema físico seja tratado com naturalidade e presteza, mas problemas psicológicos sejam tratads com esse desprezo e preconceito. É por isso que muita gente não procura ajuda e tantas coisas ruins acontecem.

Leia outros posts....

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...