ADICIONE O BLOG SMM AOS FAVORITOS! OBRIGADO PELA SUA VISITA E LEITURA!

NOVIDADE!

NOVIDADE!

Nota:O formato PDF dos livros acima pode ser acessado em qualquer plataforma, inclusive Windows, Mac OS e plataformas móveis como Android e iOS para iPhone e iPad.

Os posts mais lidos viraram livros e não estão mais disponíveis no blog.

DESDE 2010. ANO VI. MAIS DE 2.000 POSTS.

GUEST POST NO ESCREVA LOLA ESCREVA

CURTA NO FACEBOOK


E-MAIL
sindromemm@gmail.com

10 novembro 2014

Tem coisas que só eu posso fazer....

SÓ A GENTE PODE SE CUIDAR....


Ter sofrido durante tantos anos com a obesidade me ensinou muitas coisas, inclusive a ser uma pessoa melhor, sei, porque senti na pele, o que é o preconceito e todo o ódio que ele provoca.
Aprendi sobre o ser humano e suas nebulosas intenções e também escutei coisas importantes que pareciam se referir ao meu peso, mas eram sobre a vida.

Uma delas foi dita por uma pessoa que não lembro nem o nome, comentei que não era ligada em roupas, nem cabelo, por isso gosto tanto de moletom e rabo de cavalo e a pessoa me disse:

-Não importa seu gosto, mas tenha em mente uma coisa, jamais se largue, usar rabo de cavalo e moletom porque prefere assim é questão de agrado, usar por desleixo é outra. Nunca se abandone, porque existem coisas neste mundo que só você pode fazer, ninguém vai te ajudar nem fazer por você. O cuidado que temos com nós mesmos é como uma corda, largamos sem perceber e só quando estamos nos afogando começamos a procurar. E cuidado não começa apenas na mente, mas também no corpo.

E nos últimos dias tenho percebido como essa pessoa tem razão.
Aprendi a usar pouca água há anos, quando estava no México. Deixei minha mania brasileira de longos banhos e mudei minha mente, aprendi a entrar no chuveiro e usar a água ligando e desligando, para não gastar.
E agora morando em São Paulo, sem água, ou com uma água fedorenta saindo do chuveiro aprendi a ser mais rápida.

O problema é que não sei se foram os anos que se passaram ou o tédio que me invadiu, mas de repente parei de usar produtos no corpo. Antes mesmo usando pouca água me acostumei a entrar no banheiro ''carregada'' de produtos, esfoliantes, cremes, óleos, protetores, hidratantes e tudo mais que se vendesse.

Consegui graças a esse esforço recuperar um pouco minha pele, invadida pelas estrias. Também segurei a ação do tempo, mesmo que de maneira superficial. E todo esse cuidado mexia com minha mente em outros aspectos, eu me sentia melhor, mantinha a dieta mais na linha, carregava um pouco mais nos exercícios. Era como uma corda que puxava outras.

Mas tive que começar a economizar mais água ainda e comecei a desencanar e deixar algumas coisa de lado, fui ficando com preguiça, largando os produtos, deixando de comprar, entrando rápido no chuveiro, um dia deixei de usar um, depois outro e assim foi até que não usei mais nenhum. Com o tempo isso se estendeu até a cozinha, troquei uns alimentos saudáveis por outros ruins, reduzi um pouco o tempo de malhação, alegando que ''tem cara de que vai chover''.

Isso teve consequências, engordei, minha pele ficou ruim pela alimentação e pela falta dos produtos que usava. Mas foi só no sábado que percebi o que estava fazendo, quando sai para comprar um perfume de presente para uma amiga. Me dei conta que fazia tempo que eu não comprava um perfume para mim, eu que tanto adoro, estava usando os da minha coleção, mas com um pouco de indiferença.

Lembrei da história da corda, que em algum momento larguei, começou com um detalhe, mas se estendeu a vários aspectos da minha vida. Parece bobagem pensar que tudo começa com um creme que deixei de usar, mas a gente se abandona aos poucos.

Ninguém vai cuidar da minha alimentação, do meu corpo nem da minha pele, isso é minha função, se eu me largo, vou junto. E já me peguei pensando em outros assuntos importantes e dizendo  ''que se foda''. Mas esse ''que se foda'' pulverizou muitas coisas que não deveria nem ter se aproximado.

E tenho preguiça, muita até, de começar a usar todos aqueles produtos de novo, sei que minha pele precisa, trocar as batatinhas fritas pela maçã e colocar outras coisas no lugar, mas não tenho opção, já caí demais no mar e sei o que é aquele infinito de água gelada sem uma corda para se segurar. E sei também que se chego ali não é porque alguém me jogou, mas sim porque eu me larguei.


Iara De Dupont

3 comentários:

Suzana Neves disse...

O detalhe principal não é o peso tratamentos estéticos nem que seja um clareamento, esfoliação tem poderes curativos agem dentro, abraços e alguem que te ouça tbm, tanto que esfoliar a pele dá uma sensação de limpeza leveza, mas no calor me descuido tbm.

Anônimo disse...

Obrigada. Acho que eu precisava disso isso, desse " sacode". Estou muito acomodada, cabelos sem trato, unhas feitas em casa, sem cremes, desodorante básico antes de sair de casa, um batom cor de boca e nada mais. Preciso me cuidar e coloco a culpa nos outros. Hora de acordar. Grata.

C.Belo disse...

Iara, isso é um fato, nunca perca de vista este importante ensinamento. Eu já passei por épocas de pensar que cuidar do corpo não ia me fazer feliz, pq eu precisava de "muito mais" para isso. Mas esse "muito mais", muitas vezes, está distante; eu comecei a adotar o seguinte lema: "não é pq eu não posso fazer tudo, que não vou fazer nada", e partindo disso pensei que começar a mudar minha alimentação e praticar exercícios físicos estava mais ao alcance do que qualquer outro objetivo e fui atrás disso. Te digo, parecem bobagens superficiais, mas de fato, uma conquista, ainda que pequena, te deixa mais motivada para perseguir outras. Uma coisa realmente leva à outra.

Leia outros posts....

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...