ADICIONE O BLOG SMM AOS FAVORITOS! OBRIGADO PELA SUA VISITA E LEITURA!

NOVIDADE!

NOVIDADE!

Nota:O formato PDF dos livros acima pode ser acessado em qualquer plataforma, inclusive Windows, Mac OS e plataformas móveis como Android e iOS para iPhone e iPad.

Os posts mais lidos viraram livros e não estão mais disponíveis no blog.

DESDE 2010. ANO VI. MAIS DE 2.000 POSTS.

GUEST POST NO ESCREVA LOLA ESCREVA

CURTA NO FACEBOOK


E-MAIL
sindromemm@gmail.com

15 novembro 2014

Delícia, a margarina do machismo

Adriana Esteves e Vladimir Brichta: não é propaganda, é perpetuação do machismo

Há um bom tempo entendi de que não serve de nada usar palavras doces com grandes empresas. A única coisa que funciona são multas e proibições, caso contrário nada muda.
Uma das coisas que mais me envergonha de ser brasileira são as propagandas, apesar do Brasil ser um dos países mais premiados e já ter tido seus anos de ouro na publicidade, sempre foi sexista e machista.
E nem adianta apelar ao CONAR (Código brasileiro de autorregulamentacao publicitária) um conselho composto por dinossauros machos.

A única saída seria apertar por outros lados e começar a tirar do ar todas as propagandas sexistas da televisão, o que teria um lado bom, nenhuma resistiria e poderíamos pelo menos assistir um programa sem tantas interrupções. Mas o problema é que esse lixo publicitário sustenta todo o esquema.

Brasileiras ainda não conhecem o poder do boicote, não sabem o poder que tem em suas mãos, deixar de comprar uma marca pode levar empresas à falência,  as americanas usam isso direto para ter seus direitos respeitados, mas aqui no Brasil ainda agimos como uns pobres coitados onde a empresa nos faz um favor de vender seu produto, como se não pagássemos por ele.

Trocando de canal direto no meio dos comerciais dá para tolerar a tortura, mas se deixar todos eles rolando a cabeça começa a doer. Primeiro entra um comercial daquele tira-manchas e a mulher diz que o marido falou a ela sobre o poder do produto e agora ela ia usar porque ele derrubou café na blusa. Ora, mas que marido simpático, sabe o nome do tira-machas, como usar, mas o idiota não sabe lavar sua própria blusa?

Agora começou a circular uma propaganda da margarina Delícia, um produto de.......enfim, no comercial aparece a atriz Adriana Esteves pulando em cima do seu marido Vladimir Britchta e perguntando de quem é o fio de cabelo, ele começa a dizer que não sabe, mas ela aperta até que começa a dar risada e dizer que é seu. Depois finaliza o comercial dizendo  ''meu momento delícia é saber que meu marido não brinca com o perigo''. 
Insinuando que mantém seu marido fiel a base do medo. Quem escreveu essa merda de comercial não conhece homem, eles não dão bola para ameaças, se quiserem vai trair.

É o segundo comercial desse produto sexista e ofensivo. O primeiro era com Fernanda Lima (link)  que tenta entrar em uma roupa, não consegue e umas mulheres dizem que seu ''momento delícia é saber que não está fácil para ninguém, nem para a Fernanda''.
Essa marca retrata as mulheres como malucas, invejosas e paranóicas e além de tudo burras, porque Adriana pula no marido ameaçando, dando a entender que não toleraria uma traição e finge ser brava, mas qualquer mulher saber que se um homem quer trair, a mulher pode ser uma leoa, ele vai trair.
É deprimente pensar que os publicitários acreditam nessa consumidora doida, fora de si.

Mas é para ser bem humorado! Onde está o humor na eterna insinuação de que mulheres são loucas?

É a segunda vez que a empresa insiste nessa ideia e só por isso deveria levar uma multa gigantesca, mas o patriarcado tem sorte, não existe lei que multe comerciais sexistas.

O problema do machismo na propaganda é que além de tudo é burro e sem sentido. Tenho certeza que  as maiorias das mulheres que entram em um relacionamento monogâmico investem na ideia de que traição é uma coisa que não se faz com a pessoa que amamos, não conheço nenhuma mulher que mantenha seu marido fiel na base do medo e ameaças, por isso a cena onde Adriana confirma que mantém seu marido fiel porque ele não perdeu a noção do perigo é patética e ridícula, totalmente longe da essência de uma mulher.

E volto ao mesmo ponto, no supermercado onde fica esse produto existem várias outras marcas e podemos escolher, quando nos negamos a comprar um produto estamos dizendo a empresa  ''não concordo com teus métodos (seja produção, distribuição ou divulgalção)''.

Já é hora das consumidoras reagirem no Brasil e começarem a se posicionar, chega de ser otária e ficar aguentando machismo até na hora de comprar uma margarina. Esses publicitários nos chamam de loucas e burras em todos os comerciais, mas o dinheiro está na nossa mão, se não podem respeitar as mulheres pelo caminho do diálogo, podem aprender a respeitar pelo caminho econômico. Cansei de ser educada e não tenho mais porque ser, o dinheiro está comigo e se quiserem vir pegar vai ser debaixo das minhas condições e a principal delas é: chega de sexismo, não sou idiota nem louca, sou uma consumidora e se eles não respeitam, tudo bem, outra empresa vai respeitar e levar meu dinheiro.

Iara De Dupont

Nenhum comentário:

Leia outros posts....

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...