ADICIONE O BLOG SMM AOS FAVORITOS! OBRIGADO PELA SUA VISITA E LEITURA!

DESDE 2010. ANO VI. MAIS DE 2.000 POSTS.

GUEST POST NO ESCREVA LOLA ESCREVA

CURTA NO FACEBOOK


E-MAIL
sindromemm@gmail.com

12 novembro 2014

3,2,1, mulheres acordando.....(vamos fazendo mais e querendo menos)


Uma Julieta suspira e me diz:

- Sabe Iara, casamento não é tão ruim assim como você fala. Eu estou feliz, só queria um pouco mais de apoio.

Mas querer por querer também quero um mundo cheio de amor, com os animais livres, chocolate bom grátis, comer sem engordar, cheio de clones do Ryan Gosling, todos os dias de sol  e férias. Minha lista de ‘’querer’’ é imensa, assim como a de todo mundo.

O que sei, na verdade, aprendi da pior maneira possível, é que não interessa o nosso  ''querer'', desde que jamais esteja ligado ao Romeu. Qualquer coisa que  ''queremos'' em relação a ele é o primeiro passo para um abismo e o começo do fim do relacionamento.

Tive um quase Romeu que me incentivava muito a escrever, mas ele estava naquela faixa que não me interessava na época, era um doce e me tratava bem. Mas eu não tinha autoestima e meu radar não o  ''percebia''. Lembro   dele jogando pilha para que eu escrevesse, fora dali todos os outros Romeus que apareceram no caminho não eram a favor.

Minha educação foi clara e direta, o homem era à base da felicidade da mulher, não existia uma segunda alternativa. E se gosto de escrever, mas Romeu não mostra seu apoio, então estaria em problemas, porque homens sabem o que é melhor para as mulheres, principalmente suas namoradas.

Duas vezes fiquei profundamente magoada, mesmo, de chorar, rasgar e apagar o que tinha escrito.

Uma vez  namorava um Romeu, infinitamente superior a mim, até hoje admiro sua maneira de escrever, conheci poucas pessoas tão talentosas, dei a ele uns textos, pedi para ler e dar sua opinião. Semanas se passaram e ele não disse nada. Mas enchi tanto o saco dele que um dia me disse:

-Ah,é, eu gostei muito, achei que você tem boas ideias, é criativa, agora só falta aprender a escrever.

Fiquei muda e ele continuou:

-Estou sendo sincero, se quiser te ajudo, mas você não tem talento para escrever, não posso te apoiar e fazer festinha porque um dia alguém vai te dizer o que estou dizendo, não perca seu tempo escrevendo porque não é tua área, pelo menos  gosto de você e não te engano.

Não posso descrever como essas frases rasgaram minha alma. Naquele momento estava tão apaixonada que escrever ou não era o de menos, a questão era a opinião dele e o fato de não me apoiar. O meu coração quebrou, me senti péssima, Romeu não me apoiava e não admirava meu esforço.

O namoro terminou pouco tempo depois e na minha loucura e zero amor próprio embarquei em outro, seguindo a mesma lógica, um homem inteligente que eu admirava, mas que me achava menos do que ele.
Um ano depois peguei coragem e dei a ele uns textos, pedi para dar uma olhada. Se passaram meses e não me disse nada, então  perguntei e o Romeu respondeu:

-Putz, não sei onde eu coloquei, devem estar em alguma caixa. O dia que encontrar eles dou uma olhada.

Fofo! Entreguei os textos em ordem, dentro de uma pasta. E Romeu esqueceu que eu frequentava sua casa e sabia que era super organizado, e para não fazer confusão jogava algumas coisas em caixas, justo as que ele não tinha interesse. E meus textos foram parar lá.

E os dias que passei o ajudando a arrumar seus textos, já que também escrevia?
Pois é, passei horas com ele, que me mandava arquivos gigantes e eu ajudava a arrumar.

Posso pegar mil linhas aqui no post e detonar o Romeu, mas não é justo fazer isso, é uma questão de honestidade. Eles não estavam errados, não são obrigados a me apoiar e se foram cafajestes e eu não disse nada o problema é meu, não deles. Não sei se foi carência, educação ou estupidez, mas sempre esperei apoio dos meus Romeus, achava isso importante,  queria me realizar profissionalmente e para mim era vital que Romeu me mostrasse seu apoio e orgulho.

Na minha loucura cheguei a pensar que se Romeu não me apoiasse o relacionamento não teria sentido.
E minha indignação crescia porque via nos filmes americanos Romeu apoiando Julieta e eu pensava  ''tá vendo? Isso existe, é a única coisa que quero, não estou pedindo a lua''.

Perdi a conta de quantas noites de choro foram necessárias, quanta inveja tive de quem parecia ter um Romeu que apoiava, mas um dia descobri que nada disso era necessário. Foram alguns anos de solidão para perceber que todos precisamos de apoio e chega de um jeito ou de outro, algum amigo, amiga, pessoa da família, sempre vai ter alguém dando a mão, mas não precisa ser Romeu.

Não sei até que ponto se pode resumir um relacionamento, mas apoio é uma coisa relativa, ninguém precisa do apoio do Romeu para se mexer e fazer o que gosta. Nem todas as mulheres entendemos isso, eu demorei a entender, mas nenhum homem traz na sua mão nossa liberdade, não precisamos deles para crescer na vida e começar a fazer o que gostamos.

Uma vez descia a escada e estava de salto alto, me apoiei em um amigo que ia na frente e uma garota muito engraçada disse:

-Iara, esse é o único apoio que um homem pode dar!

Parece piada, mas tem seu fundo de razão. Se algumas Julietas encontraram um Romeu que presta seu apoio, sorte delas, mas nenhuma mulher deve esperar por isso nem acreditar que é carimbo ou garantia de que estamos no caminho certo.

Fazemos tanta coisa na vida e de vez em quando nem Deus apoia, mesmo assim continuamos. Já cansei de ter problemas aqui no blog, o computador quebra, o blogger desconfigura tudo, o post apaga. E  olho para cima e digo, ''poxa Deus, até você?''.

Hoje a minha conta, depois de tanto sofrimento, é simples, sou eu que escrevo, que quero escrever e dependo do meu cérebro e do meu computador para isso, não é necessário o apoio do Romeu nem de suas doces palavras incentivando. Se um dia aparecer um Romeu que goste e curta, que ótimo, agradeço a gentileza, mas a vida continua.

Não dependo mais do apoio de nenhum homem para ser o que sou, perdi o medo que muitas mulheres carregamos, que é de assumir o que quer e caminhar sozinha, parece que precisamos nos diminuir e dizer que somos o que somos  ''porque Romeu deu o seu apoio''.  É como se disséssemos a sociedade ''eu existo porque um homem aprovou minha existência''.

Se escrevo bem ou mal, não é problema de Romeu, se quiser melhorar então procuro um curso, não os braços do Romeu me dizendo o que fazer.

Lembro de ter reclamado de um Romeu para um professor, disse que o rapaz não lia meus textos e eu estava chateada, e ele respondeu:

-Mas ele é teu namorado ou teu tutor?

Pois é! Eu achava que era meu Romeu e sua obrigação era me dar apoio.

Ninguém tem obrigação de apoiar ninguém e somos nós que temos que ficar em pé e caminhar sozinhas, deixar essa mania de lado de ficar mendigando atenção para homem e implorando pela sua aprovação.

Quando eu comento que estou solteira, tanto amigos como família dizem a mesma coisa  ''mas também né, com aquele blog, assusta os rapazes!''.
Ninguém nunca me disse ‘’está solteira? Então seja feliz, escreva e curta muito sua solteirice porque homens podem ser um porre''.

Não prego uma vida sem Romeus, até porque  gosto demais deles, eu não poderia viver sem, a questão é que hoje acredito em viver sem cordas e assumir a responsabilidade da própria vida, mulheres temos a tendência a assumir a vida de todos, menos a nossa, justo a mais valiosa e importante.

E só sei de uma coisa, se um dia eu precisar do apoio de Romeu para escrever é porque não tenho mais nada a dizer.

Apoio de Romeu para mim hoje é como calda de chocolate no sorvete, se tiver fica melhor, mas eu continuo sendo o sorvete e sou eu que aguento as baixas temperaturas da minha vida, ninguém é responsável por mim, nem pelas minhas decisões e muito menos pelo o que me dá prazer. Aprendi a não esperar nada de Romeu e esperar tudo de mim. Todas as expectativas que um dia joguei nele, agora jogo em mim. E pelo menos até agora está dando certo, começo a ficar em pé lentamente, depois de anos precisando sempre do ''apoio'' de Romeu. Descobri que não preciso do apoio dele para caminhar e nem caminho mais, já aprendi  a voar.

Iara De Dupont

3 comentários:

Anônimo disse...

Se o cara não me apoia e nem tem admiração pelo que sou e faço eu mando pastar.

C.Belo disse...

Olha Iara, sinto te informar, mas vc está enganada! Afinal, quem te disse que os Romeus não te apoiaram a escrever? Eles te deram um vastíssimo material, oras! Rs!

Anônimo disse...

É, chega uma hora em que você tem que ficar em pé e se impor sozinho. Quanto mais cedo a gente aprender isso melhor. Quanto a apoiar o par... bom, Romeu pode dizer que nem tentar valer à pena, mandar esquecer, deixar o pedido pra lá, mas vá Julieta fazer o mesmo e conte as pedras vindo direto...

Leia outros posts....

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...