ADICIONE O BLOG SMM AOS FAVORITOS! OBRIGADO PELA SUA VISITA E LEITURA!

DESDE 2010. ANO VI. MAIS DE 2.000 POSTS.

GUEST POST NO ESCREVA LOLA ESCREVA

CURTA NO FACEBOOK


E-MAIL
sindromemm@gmail.com

28 outubro 2014

Ressaca da eleição: de vez em quando passo por isso



Todo fim de eleição é a mesma coisa, fico deprimida. Não é uma questão política, é apenas uma dúvida espiritual. Me sinto mal por quem perde a eleição, porque mesmo conhecendo tudo que está envolvido e sabendo que muitas articulações são feitas antes e a pessoa sabe onde está se metendo e de suas chances reais, fico me perguntando sobre aquela lei que diz que se plantamos vamos colher os frutos.

Em teoria os candidatos trabalham da mesma maneira, saem viajando por todos os lugares, comem mal, dormem mal, são assediados e vivem sobre pressão, mas apenas um vai poder olhar pra trás e pensar que cada segundo valeu a pena.

De todas as  ''supostas'' leis invisíveis que existem essa é a que mais me atormenta, a lei da plantação, a certeza de que é só plantar para colher.
Posso sentar na calçada e contar milhões de histórias de pessoas que vi plantando coisas nas suas vidas, tanto boas como ruins e nem por isso colheram nada. Posso contar da minha vida e plantações que eu vi serem invadidas por pragas ou inundadas. De todas as leis que conheci na vida essa é uma das poucas que sou obrigada a questionar, nem sempre colhemos o que plantamos ou talvez essa colheita seja uma questão de vidas.

Tenho uma amiga que colou um adesivo no seu carro que diz  ''a plantação é livre, a colheita obrigatória''. Nossa, como  discuti com ela sobre isso! Se eu tivesse colhido metade do trabalho que plantei até hoje minha vida seria outra e nem digo colher   ''tudo'' o que plantei, apenas uma fração já teria mudado meu destino.

Um amigo espírita me diz que temos muitas reencarnações e vamos devagar, isso explica porque umas pessoas conseguem tudo na vida em questão de anos e outras se ferram a vida inteira e não avançam em nada. Já outro amigo me garante que não tem mais essa de  ''vidas futuras'', o mundo está acelerado e tudo é pra já, na base de ''bateu, levou''.

Uma das teorias que circula muito é aquela que garante a mudança que começou em 2012, onde no final de dezembro, dia 21, coisas aconteceriam no planeta, entre elas um reajuste de contas espirituais, quem estivesse em dívida iria começar a pagar nessas datas, o pagamento ia se estender até 2013, depois acabaria, mas outra corrente garante que ainda está correndo a cobrança, tem muita gente ralando para colocar seu carma em dia.

E onde fica essa da plantação? Não sei, eu ainda gostaria de ter recebido mais informação, deveria existir uma linha direta entre nossas contas espirituais penduradas e nossa vida atual, um e-mail com um gráfico explicando se devemos alguma coisa, lucros e saldo disponível, mas assim de maneira invisível fica difícil de saber para onde correr.

Por isso não importa quem ganha à eleição, sempre fico com pena de quem perde, penso no dia seguinte, deve ser uma merda pensar que  ralou tanto e não deu em nada, me compadeço de quem passa por isso porque conheço a sensação e sei que é uma das piores do mundo, o sentimento de que ralamos e não deu em nada é a coisa mais devastadora do mundo, algumas vezes não dá nem vontade de sair da cama.

O ser humano é movido à construção, procura isso em todos os cantos, mesmo que seja uma imposição social vivemos assim, talvez por esse motivo aquela lei do desapego não faça tanto sucesso no mundo capitalista de hoje. Todos querem construir, existem pessoas que sonham em construir sua casa, outras uma família, carreira,  uma vida diferente e não importa o sonho, mas a base é a mesma para todos, a construção. E quando vemos todo nosso esforço não dar em nada fica um gosto ruim na boca.

E o Padre da igreja sempre diz  na missa  ''não percam a fé, não esmoreçam!''.
Poxa, quando ele fala isso penso que sabe do que está falando, está vendo que não chove em todas as plantações.
Quando começo a questionar essa lei da plantação me dizem que sou impaciente e quero tudo para ontem, mas esperar décadas não é a mesma coisa que  ''ontem''.

Tenho acordado nos últimos tempos como se fosse um político, com a boca seca, cansada de engolir tantas maioneses no caminho, sorrir sem vontade, aguentar as besteiras alheias, morrer de vontade de sair correndo e segurar e obrigada a mentir, fingir boas intenções como se elas existissem.
Mas como alguns deles conheço o dia seguinte, cercados de cartazes no chão, santinhos por todos os lados e o gosto do fracasso na boca.

Não queria ser eu a dizer que essa ''lei da plantação'' apresenta falhas na sua execução, ainda espero ansiosa mudar de lado e poder garantir a todos que ela existe, é verdade que colhemos o que plantamos, mas até agora olho pela janela e vejo a terra seca, não parece que trabalhei  nela sem parar dez anos. Já me disseram que um dia vai chover, mas ainda não vi as nuvens, apenas um céu claro com um forte sol queimando a terra.

Iara De Dupont

3 comentários:

Anônimo disse...

Eu acredito sim que quem planta colhe,mas nem sempre na mesma area que se plantou,ai entram as escolhas. Quem escolhe se casar cedo,por mais que plante nao vai ter liberdade para viajar pelo mundo,ai depende das escolhas,e muitas vezes nem percebemos a maneira como colhemos o que plantamos,um amigo com quem podemos contar,deixarmos de meter em serias enrascadas salvos pelo gongo.Eu tambem sou assim,me deprimo facil pelos outros e me sinto assim no fim de disputas como essa,mas procure sempre olhar por outro lado,a pessoa que perdeu ganhou muito,tem emprego,prestigio,ainda mais com a quantidade de votos que recebeu,aprendeu muito viajando e conhecendo gente. A vida é feita de perdas e ganhos para todos,o vencedor tambem perde e o perdedor tambem ganha e colhemos sim o que plantamos mas esperamos demais das nossas escolhas,as vezes a questao é repensar algumas.
Bjs

Anna

Anônimo disse...

O prefeito da minha cidade era vereador há mais de 20 anos. Teria sua reeleição garantida para a câmara caso se candidatasse, pois era um vereador muito popular. Quando o chamaram para se candidatar a prefeito, teve duvidas. Sabia que era mais difícil a disputa com uma raposa felpuda. Ele propos ao partido pagarem a ele um milhão de reais, pois assim, se perdesse a eleição teria um bom dinheiro. A proposta foi aceita, ele recebeu seu dinheirinho e acabou se elegendo. Assim diz a lenda local. Será que essa lenda só funciona aqui? Um candidato a presidente sai mesmo derrotado??

Suzana Neves disse...

Eu já deixei a uma década atrás de me culpar pela falta de sorte que eu tenho talvez tenho que aceitar que estou aqui para arrumar a vida dos outros não a minha porque as coisas que eu quero são difíceis demais ou até impossíveis cansei como sempre acontece sem eu peDir vou sentar meu grande popozao e esperar.

Leia outros posts....

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...