ADICIONE O BLOG SMM AOS FAVORITOS! OBRIGADO PELA SUA VISITA E LEITURA!

DESDE 2010. ANO VI. MAIS DE 2.000 POSTS.

GUEST POST NO ESCREVA LOLA ESCREVA

CURTA NO FACEBOOK


E-MAIL
sindromemm@gmail.com

27 agosto 2014

É só o que eu quero


Talvez uma das coisas que mais me atormenta na vida é ainda não entender bem o mecanismo dela. Já me disseram mil vezes que a é a vida que resolve, não nós, mesmo assim isso fica dando voltas na minha cabeça. Me vejo em algumas situações e me pergunto como devem ser resolvidas, mesmo sentindo que a vida está se lixando para minhas escolhas, parece que puxo de um lado e ela de outro. 

Fico nessa briga até cair exausta, sei que a vida tem suas razões, mas eu tenho dificuldade em renunciar a algumas coisas.

Nos últimos tempos e não foi decisão minha, a vida parece irritada com o fato de eu escrever, toda a vez que tento ela se atravessa, me mandando fazer outra coisa. Mas eu insisto e nem sei o motivo de minha insistência, mas ainda fico de pé.

Mas não passo impune ao desafiar a vida e suas regras, ela cobra e sabe fazer isso, até chegar no meu limite de arrependimento. Não  tenho intenção nem idade para brigar com a vida, Deus me livre fazer uma coisa dessas, mas não acho crime escrever, apesar do mundo ir na direção contrária. Tem gente que sai de casa para matar, roubar, sequestrar, eu só quero escrever. A vida reage a minha rebeldia, some com a senha do meu blog, enche minha caixa de comentários de pessoas dizendo que não sei escrever e meu português é precário. Leio isso e me pergunto onde está escrito que meu blog é acadêmico e aqui dou aulas gratuitas de português. É  lógico que não sei escrever, estou no caminho,  se soubesse estaria mantendo a pose em círculos fechados que são ótimos para criticar quem escreve, mas eles mesmos, apesar do seu ''perfeito português'' nunca escreveram uma linha.

O que muitos que criticam não sabem é que fujo de propósito do formato acadêmico,  a minha proposta é escrever como falo, da maneira que considero dentro do idioma, respeitando todos seus limites e regras, mas ao mesmo tempo acessível  para todos.

Ainda assim esses comentários não me incomodam, não levo a mal porque parecem estar alinhados com a vida, que resiste em me deixar escrever.  Sou teimosa e não escrevo para ser discutida em círculos acadêmicos ou respeitada por eruditos do idioma, escrevo como ato de resistência ao mundo que vivo. Apesar de algumas pessoas próximas insistirem que deveria ''deixar o blog pra lá'', insisto que apenas estou resistindo.

Não sei a que tanto resisto, até porque o blog não é meu ganha-pão, mas é meu lugar e aqui decido eu até onde vou e pela minha vontade ainda vai ser um longo caminho.

Mesmo os ventos sendo contrários ainda carrego a sensação de que um dia o céu vai abrir e então minha jornada será mais luminosa.

Nesses momentos lembro quando minha avó contava a história do sal, durante a revolução no México os militares passavam e jogavam sal na terra, para queimar todos os alimentos e assim ter certeza que a população não iria alimentar os revolucionários. Minha avó passou fome vendo o sal queimar a terra e sua mãe dizia "Podem jogar o sal que quiserem, a terra é nossa e um dia vai voltar as mãos que tanto cuidaram dela''.

Em dias nublados lembro disso, minha avó resistiu ao sal jogado na terra, eu também posso resistir. E sei que a terra é minha e vai voltar as  mãos que tanto cuidaram e amaram ela. A quem torce pelo meu silêncio posso garantir isso, não tem sal que mude minha trajetória e isso está escrito na pedra, morro escrevendo, mesmo que isso vá contra a vida, ela que me desculpe, mas vou até o fim nessa queda de braço.

Iara De Dupont

5 comentários:

Alessandra Tofoli disse...

Silenciar não, por favor !! Suas palavras fazem falta ao meu dia.
Beijos

Patrícia disse...

Se voce estivesse fazendo o mal, quem te critica estaria te apoiando. Portanto, este é o caminho, escreva! É o que voce gosta e te faz feliz. Não sei porque quem não gosta perde tempo em criticar, gente negativa. Porque não vão fazer algo útil!

Edu disse...

Iara, você me lembrou desse poema de Paulo Leminski...
Razão de ser
Escrevo. E pronto.
Escrevo porque preciso
preciso porque estou tonto.
Ninguém tem nada com isso.
Escrevo porque amanhece.
E as estrelas lá no céu
Lembram letras no papel,
Quando o poema me anoitece.
A aranha tece teias.
O peixe beija e morde o que vê.
Eu escrevo apenas.
Tem que ter por quê?

Fátima disse...

Menina, com as pedras que te jogam, faça sua escada e suba!!! Pode ter trabalho de catar as pedras para colocar no lugar certo, juntar uma à outra,preencher os vãos com cimento, mas garanto que não haverá escada mais firme do que aquelas que você faz com suas próprias mãos! Como nós sabemos que elogios podem ser de sabão! Uma chuva e derretem ou nos fazem escorregar...
Um abraço

Anônimo disse...

Iara,
Voce acredita que a vida é que decide,eu acredito que tudo é consequencia das nossas escolhar,e não podemos saber de antemão os desdobramentos delas,não existe nenhuma escolha em que não haja perdas e ganhos,amores,casamento,religião,amigos,filhos,escrever,dar palpite. Qualquer ação e escolha ganhamos e perdemos,mas acredito que sempre vale a pena pagar pra ver,é melhor essa sensação de que o preço é alto do que a sensação de que estamos deixando de fazer coisas grandes e maravilhosas para não nos expormos.
Bjs

Anna Lara

Leia outros posts....

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...