ADICIONE O BLOG SMM AOS FAVORITOS! OBRIGADO PELA SUA VISITA E LEITURA!

NOVIDADE!

NOVIDADE!

Nota:O formato PDF dos livros acima pode ser acessado em qualquer plataforma, inclusive Windows, Mac OS e plataformas móveis como Android e iOS para iPhone e iPad.

Os posts mais lidos viraram livros e não estão mais disponíveis no blog.

DESDE 2010. ANO VI. MAIS DE 2.000 POSTS.

GUEST POST NO ESCREVA LOLA ESCREVA

CURTA NO FACEBOOK


E-MAIL
sindromemm@gmail.com

31 maio 2014

Não quero me adaptar ao mundo


Não sei exatamente como o mundo funciona, mas tenho aprendido algumas coisas, por isso não me surpreendo mais com tudo, o mundo me parece raso, superficial e rápido, sei que sou eu que tenho que me adaptar, não o contrário.

Mas ainda assim algumas coisas me incomodam. 
Recentemente me vi envolvida em uma situação familiar que superou minhas energias, por isso tive uma fase de comer pouco, não consigo comer quando estou ansiosa ou angustiada e acabei emagrecendo um pouco.

Quem me conhece fez questão de dizer que estou bonita e me parabenizar. É nesse ponto que eu deixo de entender o mundo. Quem está próximo tem visto meu esforço que vai além do humano para me manter de pé na situação familiar que estou passando e ainda lidando com questões da minha vida, mas ninguém se aproximou para me parabenizar por isso, como se fosse normal alguém levar tanta pressão nas costas.

Também não fui parabenizada por manter meu blog por quatro anos com posts diários. Nada disso importa nem parece ser grande coisa, mas uns quilos a menos fazem até Jesus descer da cruz para te cumprimentar.

Para mim é um valor raso e sem muita glória, comer pouco por estar angustiada não é a mesma coisa que fazer dieta. Mas imagino que também pesa o machismo, finalmente sou mulher e segundo as regras do mundo nada é mais importante para uma mulher do que perder peso.

Não importa o que eu faça ou deixe de fazer, fale ou escreva, isso não se percebe neste mundo machista, o que importa é se aproximar a um padrão de beleza, bastante longe para mim ainda, mas se for pela torcida tudo é possível.

Talvez tudo isso me incomode tanto porque sempre me senti um peixe fora d´água, sempre tive outras vontades na vida além de ter um cabelo brilhante. Mesmo passando por diversos grupos de teatro nunca me senti de ''um'', nunca fui de ''tribos'', nem de grupos definidos, eu misturava conforme ia me identificando. E sempre tive gente me dizendo para emagrecer e virar ''alguém'', que eu me ralava à toa estudando, deveria emagrecer e ser modelo. Mas esses caminhos nunca tiveram nada a ver comigo, acho que esse foi um dos motivos pelos quais meu corpo emperrava nas dietas.

Não preciso que me parabenizem pelo blog, eu faço porque quero e sei dos meus limites, mas também não quero que se aproximem e me digam para seguir ''trabalhando duro'' na dieta porque está dando resultado.

Se o mundo não me reconhece por uma coisa eu não morro, mas não quero ser reconhecida por perder peso em uma época angustiante, como se eu fosse apenas uma boneca inflável em um mundo gelatinoso e escorregadio.

Que guardem esses elogios para quem realmente vive deles e só pensa em dietas, emagrecer, se manter linda e musa. Essa nunca foi minha carta mais alta e não vai ser agora. Até posso em uma reencarnação aparecer fútil e vazia, mas não será nessa. Já ralei muito nesta vida e emagrecer nunca foi a principal meta na minha existência, eu sempre quis alguma coisa a mais, mesmo que nem soubesse verbalizar isso.

Sei que o mundo está no lugar onde sempre esteve, não é ele que se mexe, sou eu que tenho que me adaptar a essas bolsas de oxigênio, a essa enorme superfície que cobre tudo e ao vazio que parece direcionar a vida de milhões. Mas de vez em quando me canso de tanta superficialidade e verniz. Ainda bem que hoje tenho plena consciência de que o mundo é assim, a lenta em se adaptar sou eu. Mas eu estou apenas enrolando, tenho medo de me adaptar e me perder no vazio, deixar de ser eu para ser ''todas''. Me agarro na minha individualidade e fingo não saber como o mundo funciona. Talvez assim eu consiga preservar quem sou, que não é a mesma coisa de ''quem eu pareço ser, magra ou gorda''. O que eu sou se esconde nas pedras que sentem os golpes das ondas, o que pensam que sou aparece na balança que os outros carregam. Uma coisa não tem nada a ver com a outra. Ainda bem, porque para mim só me interessa um lado, o real, o outro não existe  na minha alma.

Iara De Dupont

Um comentário:

Suzana Neves disse...

Também me sinto assim
Estamos em épocas parecidas


http://suumaluta.blogspot.com.br/2014/05/imagem-do-corpo.html

Leia outros posts....

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...