ADICIONE O BLOG SMM AOS FAVORITOS! OBRIGADO PELA SUA VISITA E LEITURA!

NOVIDADE!

NOVIDADE!

Nota:O formato PDF dos livros acima pode ser acessado em qualquer plataforma, inclusive Windows, Mac OS e plataformas móveis como Android e iOS para iPhone e iPad.

Os posts mais lidos viraram livros e não estão mais disponíveis no blog.

DESDE 2010. ANO VI. MAIS DE 2.000 POSTS.

GUEST POST NO ESCREVA LOLA ESCREVA

CURTA NO FACEBOOK


E-MAIL
sindromemm@gmail.com

05 abril 2014

Escrevo por paixão, não por vingança


Sempre que me dizem alguma coisa pergunto na minha mente se diriam a mesma coisa caso eu fosse homem.


Já escutei de alguns homens que uso o feminismo em tudo e fico na posição de vítima, mas o machismo é o mecanismo opressor que está em todas as partes e estou na parte oprimida, não na outra.


Sei desde pequena que ''moças educadas'' não expressam seus pensamentos, principalmente se isso envolve qualquer opinião mais dura. Me mandaram calar a boca desde que nasci e minha avó sofreu demais com isso, foi a que mais me recriminou minhas perguntas e minha mania de dizer as coisas.


Todas minhas tias me avisaram, falando assim jamais teria um namorado nem chegaria no ápice da vida de uma mulher, entrar em uma igreja e sair de lá sendo a ''senhora'' de alguém.


Alguns anos atrás resolvi fazer outra faculdade e topei com a mesma pedra, tive professores que me expulsaram da sala e colegas que me odiavam, apenas porque me colocava e defendia o que acreditava, isso sempre me deu uma fama sinistra na faculdade e poucos confiavam em mim. Mas levei na boa, porque tinha o outro lado, alguns professores gostavam de mim porque eu me expressava e alguns colegas respeitavam minha maneira de lutar pelo o que acredito.


Mas sei que isso tem seu preço, pelo menos na vida emocional, Romeus não gostam de mulheres que falam o que pensam, preferem as que ficam na ''dela''.  Mesmo assim não penso mudar, já trilhei uma parte do caminho e recuar não é solução. Não nasci ontem e sei que vivemos em um mundo machista, sei que mulheres que pensam, falam e escrevem apenas são toleradas, são poucas escritoras direcionadas a temas políticos e sociais, mas as prateleiras das livrarias estão cheias de livros sobre bruxos, amores, crianças e vampiros, todos escritos por mulheres, isso o patriarcado permite e até incentiva, mas pisou fora dessa linha vai levar chumbo.


E não é só no mundo das letras, em tudo é assim, o número de mulheres cientistas, engenheiras, políticas, é baixo no mundo inteiro e as que conseguem quebrar essa barreira e entrar parecem se desculpar por isso durante algum tempo.


E conheci muito do machismo aqui no blog. Justamente em uma atitude de privacidade em relação a eles chamo todos meus ex-namorados, amores e amores platônicos de Romeu, isso sempre rende e-mails rudes, insinuando que sou promíscua e não faço nada na vida além de escrever e pular de cama em cama.


Aprendi a conhecer o ''machismo invisível'', termo usado por uma psicanalista Marina Castañeda, aquele machismo que nós mulheres sentimos e vemos todos os dias, mas está tão diluído na cultura que acaba ficando invisível, apesar de estar ali.


E comecei a reparar uma coisa que acontece demais aqui no meu blog e me pergunto se isso é pessoal, ou é o mecanismo do ''machismo invisível'' a mil por hora.


Eu  venho aqui e escrevo sobre um Romeu, meu favorito, Rafael. Já recebi e-mails de amigos em comum que dizem que eu estou usando o blog para me ''vingar'' dele, como se meus posts de amor fossem de vingança!


Quando falo sobre os padrões de beleza, a gordofobia, as exigências malucas para ser e estar perfeita, é questão de minutos para receber e-mails de pessoas que afirmam que só escrevo mal de tudo isso porque não sou nem magra nem loira, e como não estou no padrão quero me ''vingar'' de quem está ou tenta estar.


Na outra semana alguma coisa acontece e falo de uma celebridade, recebo e-mail de alguém dizendo que crítico fulana porque sou invejosa e quero me ''vingar '' do mundo por não estar no lugar dela.


Até um post sobre torturadores mereceu um comentário dizendo que o post era ''vingacinha''.


Se for pessoal tudo isso eu relevo, mas me pergunto se tem a ver o fato de ser mulher e o mundo ainda se incomodar com isso?


Não importa o assunto do post, a palavra ''vingança'' aparece em algum comentário. Talvez sou dura para escrever e vou direto ao ponto, mas já estive conversando com alguns conhecidos que têm blogs de diferentes assuntos e nunca receberam nenhum e-mail dizendo que eles estavam apenas escrevendo sobre aquele assunto para se ''vingar'' de alguém ou de alguma coisa.

Mulheres quando se expressam são chamadas de ''vingativas'', já li no meu e-mail que meu blog era apenas um ''monte de post para se vingar do patriarcado'' e que eu queria me ''vingar do mundo porque não tem um pênis''.


É tanto machismo que até vira o estômago, mas não muda nada na minha vida, continuo escrevendo sobre os assuntos que me interessam e quem quiser ler pensando que é uma vingança, que leia, quem não quiser, que não leia.


E vingança não me move nem suja minhas páginas, nem me surpreende essa leitura, sei bem o mundo que vivo e ele infelizmente ainda é assim, quando uma mulher coloca o que pensa na roda muita gente acredita que ela está se ''vingando'', mas não está, o que ela está fazendo é apenas retomar o seu direito que nunca deveria ter sido tirado, o direito de se expressar.


Iara De Dupont

Nenhum comentário:

Leia outros posts....

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...