ADICIONE O BLOG SMM AOS FAVORITOS! OBRIGADO PELA SUA VISITA E LEITURA!

DESDE 2010. ANO VI. MAIS DE 2.000 POSTS.

GUEST POST NO ESCREVA LOLA ESCREVA

CURTA NO FACEBOOK


E-MAIL
sindromemm@gmail.com

01 abril 2014

Baco, você se dividiu em dois...


Sou boa em promessas e já mantive algumas de pé. Mas os tempos mudam, as intenções também e talvez os santos também tenham seus dias.
Sempre achei que santos cumpriam suas promessas, mas nos últimos tempos sinto que não é mais assim.

Então, Baco, por que eu deveria cumprir a minha? Dei risada naquele dia na casa do teu primo, foi teu único pedido no namoro, nunca, nunca, nunca te mencionar no blog. Não gostei quando você disse:


-Não quero estar ali ao lado dos teus ódios.

Respondi que aqui no meu blog tem mais amores do que ''ódios'', mas eu não queria mesmo falar de você, nem precisava ter me dito isso.


Escrevo sobre tudo o que sinto e penso, mas você parecia ser tão além do que eu conhecia que preferi esperar um pouco. Antes de te conhecer me sentia em um túnel escuro e não conseguia ver a saída, depois de te conhecer o túnel ficou verde, tudo ali parecia que podia dar vida.


Não contei pra ninguém sobre você. Quis evitar aquelas frases:


-Mas agora é sério Iara? Tem certeza que não é cafajeste?

Ah, jurei pro meu urso de pelúcia que me acompanha há trinta anos que você não era cafajeste e a coisa não era séria, ia muito além disso.

E dia desses lembrei de você porque em alguma conversa de Facebook uma pessoa disse para a outra  ''hoje em dia ninguém quer virar post!''.


Achei engraçado para caramba. É verdade, ninguém quer virar post. E você não disse isso, me pediu apenas para não aparecer aqui porque não queria ''virar carne moída''.


Poxa Baco, nunca fiz ''carne moída'' dos meus amores, eu desfio, mas não chego a moer e só faço isso de desfiar porque tento desesperadamente entender o que aconteceu e aliviar minha dor, não quero me vingar nem prejudicar ninguém, quero apenas sentir um pouco de ar nos meus pulmões e sentir a dor indo embora.


E sei que hoje é teu aniversário, justo no dia da mentira. Eu devia segurar a piada, mas não aguento, o dia parece perfeito para você ter nascido, o rei das mentiras. Meus parabéns, mas não são sinceros nem de coração, é apenas o protocolo, gosto dele.


E olha, recebi aquele teu recado meio estranho, por vias duvidosas, como é que foi mesmo? Alguém te contou que eu quebrei a promessa e falei de você aqui e na hora você comentou com alguém '' é coisa de mulher apaixonada''.


Baco, vou estragar tua Páscoa, mas não sou uma mulher apaixonada, pelo menos não no que entendo o que uma ''mulher apaixonada'' é. Pelo menos uma mulher apaixonada é  100% e não estou nessa frequência. Estou em uma que desconheço, vi você se partir em dois nas minhas mãos.


Ao contrário de outros ex-namorados que eu sempre morria de amor ou de ódio quando tudo terminava, mas com você o céu se abriu em dois, eu navego pela primeira vez em duas canoas que tem a mesma força e vão na mesma direção.


De vez em quando eu lembro de você e de tudo o que me fez e sinto um profundo asco, chego a ter enjoos ao lembrar as coisas que você me disse. Penso que se tivesse que te beijar de novo eu seria capaz de vomitar. Nesse minuto sinto nojo, ânsia de vômito e asco de você pela cafajestice que me fez. Fiquei com a sensação de injustiça e tuas mentiras dão volta na minha cabeça. Nesses dias não preciso nem me jurar que jamais vou te ver de novo e nunca mais vou atender uma ligação tua, o nojo do teu comportamento me sobe pela espinha e eu tenho certeza que você é passado.


Mas o dia escurece e de repente, sem pensar, meu pé mergulha na outra canoa. A noite me ganha, é eterna, longa e minha vida é pequena, tediosa e muitas vezes assustadora. Nessas noites me pergunto como posso sobreviver sem os teus braços me abraçando. Às vezes entro na cama e ela parece uma tumba, é fria, distante, dura, seca, gelada, vazia. Sinto fata do teu cheiro como se fosse o ar que respiro, sinto que a tua ausência física me sufoca, como se eu fosse um mergulhador que perde a máscara. Parece que minha memória se perde nessa lembrança, mas tenho a sensação de que havia algum anestésico nos teus beijos que me fazia esquecer o inferno que queima meus pés. E teu olhar, teu sorriso Baco? Vou fazer o que com essa lembrança? E a vontade, essa vontade maluca de te ver logo cedo, de escutar tua voz, de estar com você? Sinto falta disso quando piso nessa canoa de saudade, se a noite não me cortasse a alma eu seria capaz de te ligar  e pedir para voltar correndo, mas não posso fazer mais isso, você não tem mais 100% do meu amor, ele se dividiu em dois, se partiu em duas canoas e nem sempre navego na que te convém.


Minhas nuvens se dividiram em dois, umas são escuras, pesadas, trazem a chuva que inunda minha alma, as outras somem e aparece o sol, aquele que me diz que um dia as coisas podem melhorar.


O que você fez não merece meu perdão. Mas meus pés continuam pisando cada um em uma canoa. Queria ficar apenas em uma, aquela na qual te odeio e morro de asco. Mas às vezes eu durmo e acordo na canoa da saudade. Um dia Baco, um dia, eu não vou navegar em nenhuma das duas, nem do nojo, nem da saudade, vou ser livre da tua lembrança e ver tua canoa ir rio abaixo, longe de mim.



Iara De Dupont



Um comentário:

C.Belo disse...

Engraçado essas pessoinhas que acham que podem comandar o que vc escreve por aqui. E acham que isso é uma "exposição". Exposição do que, cara pálida???? Eu nem sei quem vc é, só sei que é um merdão que feriu os sentimentos de uma mulher linda, inteligente e centrada. E outra: em que mundo vc vive, que uma mulher só pq externaliza seus sentimentos e vivências tem necessariamente de estar apaixonada???

É muita crista pra pouco galo.

Leia outros posts....

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...