ADICIONE O BLOG SMM AOS FAVORITOS! OBRIGADO PELA SUA VISITA E LEITURA!

DESDE 2010. ANO VI. MAIS DE 2.000 POSTS.

GUEST POST NO ESCREVA LOLA ESCREVA

CURTA NO FACEBOOK


E-MAIL
sindromemm@gmail.com

21 março 2014

Parece fofo ( #sóquenão)


Muitas coisas demorei a entender, mas depois que cheguei ali não recuei mais.

Moro perto de um parque e de vez em quando vou lá dar umas voltas. 

Hoje uma senhora se aproximou e me perguntou o que estava fazendo para emagrecer, já que parecia mais magra. Disse que não sou médica, caso ela procure uma dieta e continuei andando. Pode parecer que sou uma grossa, mas meu limite de tolerância foi cruzado a vida inteira. Não é fofo se aproximar de ninguém que não conhecemos em um parque para fazer um comentário sobre sua aparência.

Quando eu comecei a ir no parque várias pessoas se aproximaram e me disseram que meu rosto é lindo, sendo assim eu deveria ter um pouco de dedicação e disciplina para emagrecer e ficar bonita.


Durante anos aguentei isso quieta, porque me diziam que as pessoas estavam sendo gentis e queriam ajudar e incentivar. Tive que começar a estudar o feminismo para entender que meu corpo não é domínio público e ninguém tem o direito de comentar nada, se quiserem ajudar ou incentivar existem milhões de lugares onde essas pessoas podem trabalhar de voluntários, mas meu corpo não é um deles.


Cansei dessa invasão, que é constante. Quem me conheceu mais gordinha dizia que eu precisava emagrecer e depois ao me ver perdendo peso vem me parabenizar, esquecendo que eu não conheço a pessoa.


Outro dia atravessava a rua quando uma senhora se aproximou do meu irmão e disse:


-Sua senhora está de parabéns, está emagrecendo.

Meu irmão ficou rindo, mas eu não acho graça nenhuma, tolerei durante anos essa invasão porque não queria ser mal educada, até que percebi que as pessoas estavam sendo comigo antes.

E mais tarde meu irmão comentou que achava exagero da minha parte sempre reclamar de ser parada na rua por estranhos, mas depois que ele viu isso acontecer duas vezes no meio da semana mudou de ideia, hoje entende como as pessoas são invasivas. Aplaudo essas culturas que consideram ofensivo chegar perto de estranhos e dizer qualquer coisa, como os americanos que não toleram isso.

O meu peso e o que eu faço dele é meu problema, não das pessoas que frequentam o parque, sou igual a eles, pago meus impostos e vou lá sem querer ser perturbada.


Nossa, mas as pessoas queriam ser legais! Quer ser legal? Não se meta com o peso de ninguém, nem pra mandar emagrecer, nem para incentivar, ninguém precisa disso de estranhos.


E isso vale para tudo e todos, o peso do outro não é problema de ninguém, porque de repente parece que as pessoas acreditam que peso é moeda, tem pessoas que perdem peso e acreditam que são melhores que os outros e saem por aí esfregando isso na cara de todo mundo, como se o peso de alguém mudasse a vida do outro.


Não interessa se a pessoa está gorda, magra, ou emagrecendo, o corpo é dela, o tempo é dela e  faz o que quiser com isso, não é da conta de ninguém.


E não é educado parar pessoas no parque e querer se meter na vida alheia, se a gente não conhece não fala e pronto, simples assim. Ah, mas quis ser legal! Então que vá ser legal nos quintos dos infernos, mas sem perturbar ninguém.


Cansei de ser vista como debiloide que precisa de incentivo, as pessoas pensam que tem que chegar no parque e dizer:


-Continue assim, não perca a disciplina, vai valer a pena todo seu esforço.

Não aceito isso, acho agressivo e não falo assim com ninguém, das minhas razões sei eu. E quem disse que estou no parque para perder peso? De repente estou apaixonada por uma árvore e passo lá para abraçar ela.


O que não quero é que me dirijam a palavra para dizer coisas que não são da conta de ninguém, gordos têm o mesmo direito que qualquer um de não serem incomodados. Esse direito é meu e vou por ele, não tenho mais problema nenhuma nesta vida de mandar ninguém a merda, principalmente quem cruza meu caminho e quer me tratar como se eu fosse uma criança que precisa de incentivo, não sou, e a vida é minha.


Iara De Dupont




Um comentário:

Suzana Neves disse...

Ontem passei por uma coisa parecida
Uma senhora me viu levando o Miguel pra aula e soltou é bom né andar todos os dias assim vc emagrece terminei a subida pensando que são por essas coisas que não acho legal porte de armas.
Pior que é gentileza na cabeça da pessoa da uma olhada nesse


http://suumaluta.blogspot.com.br/2013/05/quando-maldade-e-vestida-de-bom-senso.html

Leia outros posts....

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...