ADICIONE O BLOG SMM AOS FAVORITOS! OBRIGADO PELA SUA VISITA E LEITURA!

DESDE 2010. ANO VI. MAIS DE 2.000 POSTS.

GUEST POST NO ESCREVA LOLA ESCREVA

CURTA NO FACEBOOK


E-MAIL
sindromemm@gmail.com

13 setembro 2013

Sexta-feira 13: quando verdades e medos se misturam





Nunca entendi qual era o problema com a sexta-feira 13. Minha teoria é que nasci e cresci em um centro urbano e aqui todos os dias são de cuidado, não apenas na sexta-feira 13, por isso não faz nenhuma diferença.

Já escutei todo o tipo de explicação mística para essa data e nenhuma me convenceu. Algumas são até estranhas, como por exemplo, ter 13 convidados a mesa, isso dá azar, por isso os jogos de pratos sempre são de 12, nunca de 13.

Outra explicação aparece no Wikipédia :
O número 13 é considerado de má sorte. Na numerologia o número 12 é considerado de algo completo, como por exemplo: 12 meses no ano, 12 tribos de Israel, 12 apóstolos de Jesus ou 12 constelações do Zodíaco. Já o 13 é considerado um número irregular, sinal de infortúnio. A sexta-feira foi o dia em que Jesus foi crucificado e também é considerado um dia de azar. Somando o dia da semana de azar (sexta) com o número de azar (13) tem-se o mais azarado dos dias.


Mas tem gente que diz o contrário, justo pelo 13 vir depois do 12 quer dizer revolução e coisas que mudam.
Não acredito em superstições, mas acredito em sabedoria popular,existem coisas que têm uma verdade ali escondida, no meio da teoria absurda.

Minha avó tinha uma irmã que plantava milho. Ela sempre colocava um crucifixo de madeira no meio da plantação e fazia umas coisas lá. Um dia chegou o pessoal do governo, uma espécie de grupo de ajuda, para ensinar ela a plantar, acelerar a produção e o resto, porque era bem medieval mesmo, na mão. Ela não quis, bateu o pé, mas foi obrigada a aceitar.

Primeiro eles plantaram o milho em uma direção e ela dizia que assim ela não ia dar, mas eles diziam que essa direção corresponde ao ponto não sei o que do sol e aceleraria tudo, ela dizia que assim o milho ia ficar de costas pra Deus e ele não ia ajudar em nada. Mandaram ela tirar o crucifixo do meio da terra e parar de fazer as coisas que ela fazia, eu nem lembro o que eram, mas minha avó dizia que ela ia de noite se despedir do milho, desejando bons sonhos. Coisas que aprendeu com sua mãe,sua avó e assim vai.

O milho não deu certo depois que o governo mexeu. Nasceu murcho e seco. Mas falaram pra ela que foi pela seca, não pela falta de rituais, ela nunca acreditou, mesmo que fossem agrônomos formados e tal, ela passou batido, principalmente a explicação de que o milho tem que ser plantado em uma certa direção, ela plantava ao contrário porque os deuses do milho estavam do outro lado. E minha família está ali nesse terreno desde que o mundo é mundo, desde a época dos astecas, de milho eles entendem.

Mas os agrônomos do governo vem atormentando muito esse produtores rurais, chamam eles de ignorantes e analfabetos, cheios de crenças e superstições baratas. Um agrônomo disse pra minha tia que todas as mudanças eram para seu bem, porque assim iam acelerar a produção e ela, analfabeta respondeu:
-É Deus que está no comando da produção e o tempo dele eu respeito.

Por isso toda as superstições eu escuto com calma, deve ter alguma coisa de verdade ali, mas essa da sexta-feira 13 eu ainda não achei nada que me convença. Todas essas teorias dos números que só chegam até 12 não me dizem nada e as pessoas falam como se tivessem certeza, eu me pergunto, quem estava lá pra comprovar que eram apenas 12 apóstolos? A gente vai passando as coisas pra frente, mas elas se distorcem no meio do caminho.

Alguma verdade existe no dia 13, mas eu não sei qual é. Mas também pode não ser, o ser humano tem criado milhões de medos desde que chegou ao mundo e a soma deles é isso, superstições que não sabemos se são reais ou não. Não existe no planeta um animal mais assustado do que o ser humano e ainda vivemos com idéias erradas, que foram fruto de alguma mente assustada.Tudo se mistura,a verdade e o medo. E acabamos fazendo coisas sem saber o que estamos fazendo.

Iara De Dupont

Um comentário:

SUZANA disse...

Quando fiz curso de alemão em 96 a professora comentou que eles tem superstição com o numero sete,por coincidência nunca gostei do numero sete,tá cheio deles no meu rg ,eles me perseguem até no numero da casa,superstição em exagero deve fazer mal como qualquer coisa em excesso,o meu unico problema é com o Jason tenho medo dele até hj.

Leia outros posts....

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...