ADICIONE O BLOG SMM AOS FAVORITOS! OBRIGADO PELA SUA VISITA E LEITURA!

DESDE 2010. ANO VI. MAIS DE 2.000 POSTS.

GUEST POST NO ESCREVA LOLA ESCREVA

CURTA NO FACEBOOK


E-MAIL
sindromemm@gmail.com

02 junho 2011

Cabelo de defunta (Ave Maria!)


Desde criança tenho uma coisa que se chama estrema sensibilidade no couro cabeludo. Isso quer dizer que posso ficar com dor de cabeça se alguém puxar meu cabelo, mesmo que de leve. Por isso sempre fugi de salões de beleza e estética. Minha mãe também não gostava, então ela mesma me cortava o cabelo, de vez em nunca.

Às vezes eu mudava de ideia e queria um corte legal. Então eu ia a um e sofria a tortura, puxavam meu cabelo para lavar, secar e cortar. Eu ficava dias com dor de cabeça, com dores até no ombro.

Por isso mesmo e diante da inevitável vaidade que as brasileiras tem em relação ao cabelo aprendi a fazer tudo sozinha, desde hidratação até tintura.
E nunca me perguntei o que é extensão ou aplique. 
Hoje encontrei uma amiga que me mostrou seu cabelo lindo e comprido. Aplique, disse ela. Isso é o seguinte  eles pegam fios de outros cabelos e amarram no seu e ele fica comprido.

Não sei porque, deve ser essa maldita mania de Virgem de querer saber tudo. Perguntei a minha amiga da onde veio o cabelo dela. Ela me disse que uma parte da Índia, parece que tem um ritual lá que a menina é obrigada a cortar todo seu cabelo a uma determinada idade.O engraçado do ritual é que o cabelo é vendido para o Ocidente, não vejo muito a espiritualidade nisso, mas o que pode me surpreender neste mundo que odeia as mulheres? Ah, me surpreende que não cortem o pescoço dessas meninas, já que cortam o cabelo que nem elas devem saber que cruza o oceano.

Minha amiga também disse:
 - O que não vem da Índia , vem de defunta.

Ah, então tá! Não tenho nada contra quem faz aplique ou extensão, mas colocar o cabelo de uma morta pra mim é absurdo. É cruzar o limite da vaidade. Cabelo cresce e todo mundo pode esperar por isso. Não vejo a urgência de colocar cabelo da falecida.

E dessa maneira lenta que as mulheres começam a se converter em um Frankenstein. As unhas que mostram a saúde da pessoa ficam cobertas por químicos fortes e coloridos. Os olhos são lente de contato e o cabelo é de uma morta. Começam a usar remendos que escondem quem elas são e constroem um monstro.

Pra que tudo isso? É vaidade? É um ego desenfreado que quer agradar a ala masculina?
Quando se começa a usar cabelo de morto parece que alguma coisa dentro já morreu, já perdeu o sentido. É só um pouco do cabelo de alguém que já morreu, só isso, grudado em alguém que já não sente nada.

Iara De Dupont

2 comentários:

Aline disse...

Em pensar que cabelo é um negócio tão estranho que nem a terra come...

Poeta da Colina disse...

Meu me enche, cresce demais eu corto curto...e depois de um barbeiro aí, ele ferrou o crescimento que agora é uma confusão.

Podia ser regulável, aí tá bom. Mas hoje em dia, deixa vai..

Leia outros posts....

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...